MD e CM acompanham Operação “Poseidon” a bordo do NAM “Atlântico”

10/09/2021
Fonte: Centro de Comunicação Social da Marinha
Comandante da Marinha, Ministro da Defesa e comitiva acompanham
operações aéreas no NAM “Atlântico”
 
O Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Almir Garnier Santos, acompanhado do Comandante de Operações Navais, Almirante de Esquadra Alipio Jorge Rodrigues da Silva, recebeu, nos dias 2 e 3 de setembro, o Ministro da Defesa, General de Exército Walter Souza Braga Netto, a bordo do Navio-Aeródromo Multipropósito (NAM) “Atlântico”, para acompanhar a Operação “Poseidon 2021”, que visou à qualificação de militares da Marinha, Exército e Força Aérea para a operação de aeronaves a bordo de navios da Esquadra.
 
A operação, que ocorreu entre os dias 28 de agosto e 4 de setembro, a cerca de 50 km da costa do estado do Rio de Janeiro, integra o Plano de Trabalho das Atividades Conjuntas para 2021 do Ministério da Defesa e teve o propósito de incrementar a interoperabilidade entre as Forças Singulares, com foco no Movimento Navio para Terra Helitransportado. Além de aeronaves e mais de mil militares da Marinha, Exército e Força Aérea, o exercício contou com a participação da Fragata “Liberal”, que atuou como navio-escolta do NAM “Atlântico”.
 
Também embarcaram para acompanhar a operação, o Chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, General de Exército Laerte de Souza Santos; o Chefe de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa, Almirante de Esquadra Petronio Augusto Siqueira de Aguiar; e o Diretor-Geral do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), Rafael Pinto Costa.
 
 
Comandante da Marinha observa a movimentação intensa de aeronaves
no convés de voo do NAM “Atlântico”
 
O Comandante da Marinha abordou os ganhos em operatividade, advindos da Operação “Poseidon”. “Não há razão pela qual um navio com toda esta capacidade não possa receber aeronaves de outras Forças que, a partir de operações como esta, estarão prontas para atuar, tendo como base um aeródromo embarcado. Quando a gente se junta ao Exército e à Força Aérea, nossa capacidade aumenta”, destacou.
 
O Ministro da Defesa observou a importância da interoperabilidade entre as Forças. “Ninguém faz o combate sozinho, hoje em dia. Nossas Forças são muito profissionais, mas precisam ter a rotina de trabalhar integradas. E este é um passo importante nesse sentido. Essa necessidade é preponderante para um bom adestramento e preparo das Forças Armadas. Parabéns à Marinha do Brasil por esta iniciativa!” complementou.
 
 
Na sala de briefing do NAM “Atlântico”, Comandante da Marinha, Ministro da Defesa e comitiva acompanham apresentação realizada pelo Comandante de Operações Navais