Comando do 7º Distrito Naval atua durante a Posse Presidencial

11/01/2019
 
Marinha atua na Ponte JK
 
No período de 28 de dezembro de 2018 a 2 de janeiro, o Comando do 7º Distrito Naval (Com7ºDN) participou do planejamento e da execução das atividades para a posse do Presidente Jair Bolsonaro, ocorrida no dia 1º de janeiro. Além de contribuir com seus militares para a Guarda de Honra Mista, composta pelas três Forças Armadas e com a Banda de Música do Grupamento de Fuzileiros Navais de Brasília (GptFNB), na cerimônia do Congresso Nacional, o Com7ºDN participou da Força-Tarefa Integrada Operação Posse (FT POSSE), que envolveu cerca de 60 instituições e 13 mil militares, policiais, bombeiros e agentes.
 
A “Força Tarefa de Proteção Marinha do Brasil” (FT 263) foi responsável por proteger as quatro pontes e a barragem do Lago Paranoá; por receber e acomodar no GptFNB a Força de Reação da FT POSSE; por acolher e posicionar, no Prédio do Comando da Marinha, a Força Nacional e os atiradores de precisão da Divisão de Operações Especiais da Polícia Civil, unidade de elite da Polícia Civil do Distrito Federal; por montar e operar um posto médico na Esplanada dos Ministérios; e por compor as escoltas de batedores de autoridades estrangeiras convidadas e também do tradicional “Rolls-Royce presidencial”.
 
O esquema de segurança da FT 263, no Lago Paranoá, incluiu o emprego de seis embarcações, motos aquáticas e militares da Capitania Fluvial de Brasília, da Capitania Fluvial do Araguaia-Tocantins e do GptFNB, os quais mantiveram a constante vigilância e a segurança das obras de engenharia e do tráfego de embarcações no lago. Militares do Com7ºDN, do Centro de Instrução de Brasília e do GptFNB garantiram a segurança dos prédios do Comando da Marinha e do Ministério da Defesa.
Diretamente envolvidos na Operação Posse, o Com7ºDN contou com 522 militares e de suas organizações militares subordinadas. Todos participaram dos dois ensaios gerais, do credenciamento para acesso à Esplanada dos Ministérios e da varredura do Prédio do Comando da Marinha, o que garantiu o cumprimento da missão atribuída.
 
Barragem do Lago Paranoá foi um dos pontos protegidos pelos militares do Comando do 7º Distrito Naval