Com tecnologia 100% brasileira, CIAGA inaugura simuladores de passadiço e praça de máquinas

15/04/2018
 
Simulador de Passadiço desenvolvido pela Marinha do Brasil
 
No dia 10 de abril, foi realizada a inauguração dos novos simuladores de passadiço e praça de máquinas pelo Diretor de Portos e Costas, Vice-Almirante Wilson Pereira de Lima Filho, e pelo Comandante do Centro de Instrução Almirante Graça Aranha (CIAGA), Contra-Almirante Vanley Monteiro Soares. O evento, que ocorreu no CIAGA, contou com a presença de membros da comunidade marítima e Sociedade Amigos da Marinha.
 
O simulador de passadiço, desenvolvido pela Marinha do Brasil, é o primeiro inteiramente com tecnologia nacional capaz de reproduzir uma situação real por meio de simulação de um navio mercante para treinar e capacitar futuras tripulações. Ele incorpora alta fidelidade dinâmica na simulação de movimentos, geração de ondas e de todos os estados do mar, possui gráficos para instrumentos e visualização para fora da janela do navio.
 
O software de controle permite criar cenários em vários locais e para diferentes tipos de operações. Flexível, capaz de uma grande versatilidade em termos de navios, o simulador tem uma estrutura modular capaz de gerar diferentes camadas de imersão. Trata-se de um equipamento completo, que permite a realização de treinamentos realistas, como avarias, incêndio, falha em equipamento, pane elétrica, entre outros.
Equipe do CASNAV, CIAGA e FEMAR responsáveis pelo projeto
 
O simulador de passadiço foi desenvolvido em parceria com o Centro de Analises de Sistemas Navais (CASNAV), CIAGA e Fundação de Estudos do Mar (FEMAR).
 
Baseado nos modelos comerciais mais modernos, o simulador de praça de máquinas é o primeiro nacional com 30 computadores em rede e monitores touchscreen distribuídos em salas que representam diferentes setores de um navio. Ele é capaz de simular uma planta baseada nas máquinas tipicamente encontradas em navios mercantes de grande porte movidos com motores a diesel de baixa rotação, incluindo mais de 70 telas que representam a planta elétrica de propulsão de forma fiel.
 
A escolha do tipo de embarcação reflete uma configuração de máquinas comum entre os navios mercantes da frota brasileira, sendo ideal para o uso em um centro de formação e treinamento. O instrutor pode selecionar um dos diversos cenários iniciais instalados ou salvar seu próprio. Avarias podem ser introduzidas em qualquer bomba, filtro, válvula e outros equipamentos.
 
O domínio da tecnologia específica de simuladores permite que a Marinha detenha o conhecimento técnico, possibilitando a capacidade de atualizações no simulador ao longo dos anos e elaboração de diferentes configurações, bem como o desenvolvimento de novos simuladores de submarinos ou navios de superfície. A detenção desta tecnologia autóctone configura-se um marco na história da Força.
 
Equipe responsável pelo projeto do Simulador de Praça de Máquinas