Memória aos Mortos da Marinha em Guerra

Clique para ler a Ordem do Dia nº 3/2018 do Comandante da Marinha

 

A Política de Defesa Nacional (PND) se fundamenta “na busca da solução pacífica das controvérsias e no fortalecimento da paz e da segurança internacional”, considerando, porém, que o Brasil, para alcançar e manter a plenitude de seus interesses legítimos poderá encontrar antagonismos e enfrentar disputas. Desse modo, a PND inclui em sua orientação estratégica que “a vertente preventiva da Defesa Nacional reside na valorização da ação diplomática como instrumento primeiro de solução de conflitos e em postura estratégica baseada na existência de capacidade militar com credibilidade, apta a gerar efeito dissuasório”.  

A preparação permanentemente para a guerra em um mundo ainda eivado por conflitos é a melhor garantia para a preservação uma paz duradoura que assegure os interesses nacionais. A profissão militar inclui, portanto, a garantia de um estado de paz com os demais estados nacionais que preserve a soberania da Nação e desenvolvimento da sociedade, mesmo que para isso a guerra nos seja imposta, e a perda de vidas inevitável.   

A Marinha do Brasil celebra a Memória dos seus Mortos em Guerra em 21 de julho, data em que afundou por fortuna do mar a Corveta Camaquã em meio a Batalha do Atlântico na Segunda Guerra Mundial. O pequeno navio de guerra originalmente concebido como naviomineiro, o menor dos três navios de guerra perdidos pela Marinha do Brasil naquele conflito, naufragou durante operação de escolta ao comboio JT-18, vitimando 33 homens.  

A Marinha envolveu-se na Segunda Guerra por mais tempo que o próprio País, uma vez que sua participação iniciou-se em outubro de 1941, com o posicionamento da própria Camaquã em patrulha no litoral Nordeste, e só terminou alguns meses após o fim da guerra, depois de assegurado que o Atlântico Sul estava efetivamente livre de submarinos desinformados sobre o término do conflito. Durante este longo e ativo período em operações de guerra pereceram em combate 492 militares da Marinha do Brasil. Somam-se a estes, 982 mortos nos 33 ataques do Eixo a nossa Marinha Mercante, redundando em 1474 mortos e desaparecidos na defesa do tráfego marítimo nacional.  

Contudo, desde o nascimento da Nação brasileira, nossos marinheiros apresentaram-se para defender sua soberania, tanto no limite difuso dos mares, como nos rios que fazem nossas fronteiras. A colônia portuguesa na América tornou-se independente sem a fragmentação política verificada nas ex-colônias espanholas, muito graças à projeção da força do Império brasileiro empreendida pela nossa jovem Marinha de Guerra, garantidora e mantenedora incontestável da autonomia adquirida. Dos conflitos na região do Prata aos levantes regionais, a Marinha esteve presente na defesa do Império, culminando na Guerra da Tríplice Aliança, onde é indelével a lembrança dos heróis que pereceram. Somente na Batalha Naval do Riachuelo, 102 dos nossos marinheiros deram suas vidas para repelir o inimigo.  

Há 100 anos, nossos homens voltaram a ser chamados a lutar pelo Brasil na Primeira Guerra Mundial. Em 1917, reagindo a perda de sete navios mercantes afundados pela campanha submarina irrestrita do Império alemão, decidimos enviar ao Atlântico Norte, a Divisão Naval em Operações de Guerra (DNOG), a fim de juntar-se à frota inglesa que lá operava. O maior inimigo encontrado pela DNOG foi a gripe espanhola, uma praga mundial, que atingiu a força naval brasileira. A epidemia deixou 156 mortos, mas não impediu que, dominada, continuasse a DNOG a atuar no tempo que a guerra ainda durou.

Lembremos, portanto, daqueles que, cumprindo sua obrigação de defender a Pátria, entregaram prematuramente suas vidas.