Marinha do Brasil dá início à montagem final do Submarino “Riachuelo”

 
Comandante da Marinha e demais autoridades durante cerimônia
 
A Marinha do Brasil avançou em mais uma etapa do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB). O marco desta nova fase aconteceu nesta terça-feira, dia 20, no Complexo Naval de Itaguaí, na região metropolitana do Rio de Janeiro (RJ), quando o Presidente da República, Michel Temer, acompanhado do Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, acionou o mecanismo simbólico que uniu duas partes da embarcação. O ato marcou o início da montagem final do Submarino “Riachuelo”, o primeiro dos quatro submarinos convencionais do PROSUB a ter unidas todas as seções que formam o casco e os sistemas já instalados em cada uma delas. A fase, de elevada sofisticação tecnológica, é a última antes do lançamento do submarino ao mar, previsto para o segundo semestre deste ano.
 
O presidente Michel Temer destacou a importância da construção do submarino. “Vamos avançando a passos firmes em um projeto abrangente e ambicioso. O PROSUB é peça chave não apenas na política de Defesa, mas também em nossa estratégia de desenvolvimento científico e tecnológico. Estamos escrevendo mais um capítulo em defesa da soberania nacional. Afinal, proteger nosso vasto patrimônio marítimo, na verdade, é proteger recursos vitais para a nossa economia”, declarou.
 
Presidente Michel Temer acionando o botão de união das seções, acompanhado do Comandante da Marinha e de demais autoridades
 
Temer enfatizou também que os benefícios do PROSUB vão além da esfera militar, uma vez que a construção do submarino de propulsão nuclear, prevista para 2023, com tecnologia totalmente brasileira, abrirá novas fronteiras para a Medicina e para a matriz energética, além de contribuir para a criação de empregos com mão de obra especializada.
 
Para o Ministro da Defesa, Raul Jungmann, a construção dos submarinos representa soberania, uma vez que aumenta a capacidade de dissuasão do país. “O Brasil é um defensor da ordem internacional e do Direito Internacional dos povos. Nós respeitamos a soberania e não aceitamos a solução pela força e nem a ingerência, seja de quem for e por qual motivo. Mas, infelizmente, na ordem internacional prevalece a anarquia e não o direito. Por isso, o Brasil precisa de capacidade de dissuasão para defender a sua soberania, o seu território e os seus interesses. Embora pacífico, não é desarmado e nunca será desarmado na defesa de seu povo e dos seus interesses”, afirmou.
 
Já o Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira, ressaltou a importância do projeto na recuperação da capacidade do país em produzir submarinos. “O PROSUB constitui a base de conhecimento, para que, junto com o Programa Nuclear da Marinha, consigamos avançar com o projeto em andamento de construção dos submarinos de propulsão nuclear. Esses meios, quando concluídos, serão integrados à Esquadra e empregados na defesa dos interesses marítimos brasileiros. Um país cada vez mais dependente do mar para a sua prosperidade jamais poderá prescindir de uma força naval moderna e capacitada”, concluiu.
 
A construção
O PROSUB prevê, além da construção concomitante dos quatro submarinos convencionais, o projeto e a construção do primeiro submarino brasileiro com propulsão nuclear e a infraestrutura necessária à construção, operação e manutenção de ambos os modelos.
 
A montagem dos submarinos envolve elevada sofisticação tecnológica e o projeto conta com a participação de universidades e centros de pesquisa, fomentando o desenvolvimento tecnológico e de materiais do país.
 
Os segmentos foram construídos na Unidade de Fabricação de Estruturas Metálicas (Ufem), também em Itaguaí (RJ), e foram transportados em três etapas. A primeira, no dia 14 de fevereiro, levou para o local da montagem, distante cinco quilômetros do local de fabricação, uma parte com 39,86 metros de comprimento, 12,30 de altura e pesando 619 toneladas. A segunda parte, com 18 metros de comprimento e 370 toneladas, foi transportada no dia 4 de fevereiro. O último segmento, com 14 metros e 190 toneladas, foi movimentado no dia 8 de fevereiro.
 
O Brasil conta atualmente com cinco submarinos, sendo um da Classe “Tikuna”, construído no Brasil e que ficou pronto em 2008, e quatro da Classe “Tupi”, sendo o primeiro construído na Alemanha entre 1987 e 1989 e os outros três, iguais ao alemão, montados no Brasil, mas sem transferência de tecnologia, nas décadas de 1990 e 2000.
 
 
Comandante da Marinha entrega protótipo do Submarino “Riachuelo” ao presidente Temer

 

Fotos do evento

 

Clique para ampliar as imagens

Veja mais imagens na página da Marinha do Brasil no Flickr
 

Vídeos

Marinha finaliza primeiro submarino convencional do PROSUB

 

Integração do Submarino Riachuelo

 

Saiba mais

Para ampliar suas informações acesse https://www.marinha.mil.br/prosub/