Dia da Imunização

Enviado em: 09/06/2019

O Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde tem como objetivo, em primeiro lugar, prevenir e manter sob controle as doenças passíveis de imunização para que a população possa ser cada vez mais protegida contra enfermidades. As vacinas são feitas com microrganismos da própria doença. No entanto, esses microrganismos estão enfraquecidos ou mortos, fazendo com que o corpo não desenvolva a enfermidade, mas se torne preparado para combatê-la se for necessário.

Segundo o Ministério da Saúde, toda vacina licenciada para uso passou antes por diversas fases de avaliação, desde os processos iniciais de desenvolvimento até a produção e a fase final que é a aplicação, garantindo assim sua segurança. Além disso, elas são avaliadas e aprovadas por institutos reguladores muito rígidos e independentes. No Brasil, essa função cabe à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), órgão vinculado ao Ministério da Saúde.

Apesar da intensa divulgação e campanhas, infelizmente, vem crescendo o número de pessoas que adotam falsas contraindicações, apoiadas em conceitos desatualizados, não realizando a vacinação e com consequente prejuízo da cobertura vacinal.

A pessoa que opta por não se vacinar não coloca apenas a própria saúde em risco, mas também a de seus familiares e outras pessoas com quem tem contato, além de contribuir para aumentar a circula-ção de doenças. Tomar vacinas é a melhor maneira de se proteger de uma variedade de doenças gra-ves e de suas complicações, que podem até levar à morte.

Para o presidente do Departamento Científico de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pedia-tria (SBP), Aroldo Prochman de Carvalho, o ato de não vacinar é uma negligência. “A SBP condena qualquer manifestação antivacina (...). A partir do momento em que não se vacina uma criança, colo-ca-se em risco toda uma população”, declarou no próprio site da entidade.

A responsabilidade de se vacinar e de se informar corretamente é dever de todos, já que a vaci-nação é uma medida de saúde pública. O Ministério da Saúde tem um calendário de vacinação es-pecífico para recém-nascidos e crianças, bem como para pré-adolescentes e adolescentes, adultos, idosos e, ainda, para gestantes. Lembre-se: a vacinação é a forma mais eficaz de prevenir doenças.

Vacinem-se!

1T (RM2-S) Karina Branco
Conselho Editorial do Saúde Naval



Saiba mais em: