Prevenção contra fake news

É comum recebermos informações sobre diversos assuntos nas redes sociais e nos aplicativos de troca de mensagens. Porém, nem tudo que está na internet é verdadeiro. As fake news (notícias falsas) fazem vítimas todos os dias e se propagam nos celulares e computadores em alta velocidade. Parece uma doença incontrolável, mas acredite: prevenir é a melhor solução.

Segundo o Ministério da Saúde, desde 2016, os boatos influenciam na queda do alcance das campanhas de vacinação no Brasil. Este descrédito ameaça não só quem deixa de se imunizar, mas toda a população. Doenças como a poliomielite, a varíola e o sarampo, erradicadas com a utilização de vacinas, podem retornar e gerar novas epidemias.

A vacinação é um dos mecanismos mais eficazes no reforço das defesas do organismo humano e é a forma mais segura de prevenção de doenças graves (e que podem até levar à morte). Pensando nisso, o Saúde Naval aproveita o Dia Nacional da Vacinação, comemorado em 17 de outubro, para desmistificar algumas fake news sobre o tema:

  • Vacinas causam autismo? Mentira.
    Não existe nenhuma comprovação científica sobre isso.
  • Com saneamento e higiene, não há necessidade de vacina? Mentira.
    Vacina e higiene são igualmente necessárias.
  • Vacinas causam síndrome da morte súbita infantil? Mentira.
    Não existe nenhuma comprovação científica desse fato e os bebês precisam das vacinas contra doenças graves, como sarampo, difteria, tétano e coqueluche.
  • Não precisamos de vacinas contra doenças erradicadas? Mentira.
    Novos surtos podem ocorrer se a população não se vacinar.
  • É sempre perigoso tomar mais de uma vacina ao mesmo tempo? Mentira.
    Vacinações combinadas são seguras e mais práticas, respeite sempre a recomendação do médico.
  • Vacinas contêm mercúrio e isso pode matar? Mentira.
    Os conservantes da vacina são testados e não são prejudiciais para a saúde das pessoas.

Mas, afinal, como descobrir uma fake news? O primeiro passo é procurar uma fonte confiável para checar as informações. Uma dica é o número (61) 99289-4640, um canal do Ministério da Saúde em que profissionais de saúde verificam, de forma gratuita, a veracidade das notícias. O serviço também está disponível via WhatsApp com o envio da mensagem que se deseja checar.

No site do Saúde Naval, você encontra os locais de atendimento, as vacinas disponíveis e as orientações para se vacinar. Fique atento às campanhas e aos calendários de vacinação preconizados pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI), do Ministério da Saúde.

Fake news e vacina: uma mata, a outra salva. Escolha qual você quer compartilhar!

Fonte: Governo Federal/Ministério da Saúde

Para saber mais, leia: