🦸🏽 🧡 Nem tudo é TDAH...

Enviado em: 29/07/2022

image

Nem tudo é TDAH...

Falar muito, mexer sem parar, subir nas mesas. Brincadeira de criança ou um indício de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH)? Saiba que nem tudo é TDAH. Muitas pessoas, ao lerem os sintomas, podem se identificar ou lembrar de alguém. Para ter um diagnóstico, os sintomas devem ser frequentes e é preciso ter uma avaliação profissional.


Por que algumas pessoas insistem que o TDAH não existe?

Há grupos que sugerem que o TDAH é um “rótulo”. Outros acreditam que do pescoço para baixo acontecem as “doenças de verdade” e do pescoço para cima são “meras invenções”. Nada disso encontra eco na ciência.

O TDAH é reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Se você está lendo esta matéria, acha que é portador de TDAH ou conhece alguém com o transtorno, converse, busque ajuda. Tenha empatia e cuidado com o outro.


Lei

Uma semana inteira para lembrar que o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) existe sim e deve ser tratado da forma mais precoce possível. Isso é o que prevê a Lei 14.420/22. Com ela, o Brasil passa a contar com a Semana Nacional de Conscientização sobre o TDAH, programada, todos os anos, no período que abrange o dia 1º de agosto.


O que é?

Segundo o Ministério da Saúde, o TDAH é um transtorno de causas genéticas, que aparece na infância e pode acompanhar a pessoa pela vida inteira. Aquilo que chamamos de TDAH é um conjunto de sintomas que envolvem desatenção, inquietude e impulsividade com níveis altos, acima do esperado.


Todo TDAH é igual?

Claro que não. Você acha que existem duas pessoas iguais com hipertensão, por exemplo? Saiba que cada caso é único. Mesmo que a pressão dessas duas pessoas seja igual, elas são diferentes. A mesma coisa acontece com quem tem TDAH, pode haver muitas coisas em comum, mas os comportamentos nem sempre serão iguais.


Alguns sinais que podem ocorrer nas crianças e nos adolescentes:

  • Agitação;
  • Inquietação com as mãos e pés agitados;
  • Dificuldade de permanecer atentos em atividades longas, repetitivas ou que não lhes sejam interessantes;
  • Distração pelo ambiente ou por seus próprios pensamentos;
  • Esquecimento das atividades, dos recados, do que devem fazer;
  • Impulsividade (a criança não consegue esperar sua vez, não lê a pergunta até o final, interrompe os outros)*.

*Atenção: A presença desses sintomas não significa necessariamente que uma pessoa tem TDAH. Em casos de suspeita, procure um médico.


Na escola

Como posso saber se na escola a criança ou o adolescente apresenta problemas que possam ser indícios de TDAH? Conversando com os professores! As escolas, normalmente, chamam os pais quando identificam algum comportamento que seja diferente do esperado.


Qual é a idade?

Os sintomas do TDAH podem estar presentes desde muito cedo. É preciso, entretanto, que os sintomas estejam presentes antes dos 12 anos de idade. Na fase da escola, essas crianças são tidas com uma energia maior do que o normal, não esperam sua vez e vivem a mil por hora...


Tratamento

O tratamento deve ser múltiplo: medicamentos, psicoterapia, fonoaudiologia; orientação aos pais e professores, além de técnicas específicas.

Apoio técnico:
1T (Md) Karina
Psiquiatra
Médica assistente do GAAPE PNNSG

Compartilhe