Quiz - Audição

 

 

Se você respondeu SIM a pelo menos duas das perguntas anteriores, procure um médico otorrinolaringologista ou um fonoaudiólogo e realize um exame de audiometria.

A deficiência auditiva é definida como a diminuição da capacidade de percepção do som. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma a cada quatro pessoas terá algum grau de perda auditiva até 2050. Estes dados destacam a importância da prevenção da perda auditiva. A deficiência auditiva pode levar ao isolamento social, à depressão e impacta diretamente na qualidade de vida do indivíduo.

Já o zumbido não é considerado uma doença e sim um sintoma. Consiste numa sensação ilusória de som percebida apenas pelo paciente. Pode ser identificado em um ou em ambos ou ouvidos e pode ser semelhante ao barulho de apito, chiado, barulho de chuva, sino, dentre outros.

Na maioria dos casos, o zumbido aparece como consequência de uma perda auditiva. A exposição a ruídos altos constantemente e sem proteção, como shows, uso de fones de ouvidos, ruído ocupacional, entre outros casos, pode afetar a audição. Para tentar compensar a perda de audição, as estruturas do ouvido trabalham mais, provocando assim o zumbido.

O zumbido também pode estar relacionado a outros fatores como diabetes, hipertensão arterial, disfunção temporomandibular (DTM), uso de substâncias como cafeína, álcool e tabagismo. Por isso, destaca-se a importância de um acompanhamento multidisciplinar para detecção da causa e estabelecimento do tratamento adequado para cada paciente.

Seja para deficiência auditiva, seja para zumbido, a identificação é o primeiro passo para a eficácia do tratamento. A triagem auditiva ao longo da vida, permite que a perda de audição possa ser identificada o mais cedo possível. O exame mais realizado na prática clínica é a audiometria. É um exame simples, rápido, prático e indolor. Pode ser realizado por médico otorrinolaringologista ou por um fonoaudiólogo.

Em 10 de Novembro é o dia nacional da surdez. Veja 6 dicas para preservar sua audição:

  • Nunca coloque objetos pontiagudos dentro dos ouvidos (como tampas de caneta, grampos de cabelo e palitos de fósforo).
  • As hastes flexíveis (cotonetes) só devem ser usadas na parte externa da orelha e nunca dentro do canal auditivo.
  • Use fones de ouvido com moderação. A exposição prolongada e volume alto podem causar perda auditiva irreversível.
  • Não se automedique. Há certos remédios, chamados de ototóxicos, que podem prejudicar a saúde dos ouvidos.
  • Se você trabalha exposto a ruídos, utilize sempre Equipamentos de Proteção Individual (EPI).
  • Realize o exame de audiometria pelo menos uma vez ao ano.



Contribuição técnica:
1T (RM2-S) Gabriela Souza de Melo
Fonoaudióloga da Policlínica Naval
de São Pedro da Aldeia



Veja também:

1

Você tem dificuldades de ouvir ou compreender o que é falado quando está em ambientes ruidosos?





2

Você costuma pedir às pessoas que repitam o que foi dito?





3

Trabalha em ambiente com ruídos?





4

Em ambiente silencioso, você percebe zumbido (chiado, apito) em um ou em ambos os ouvidos?





5

Você sente dor ou pressão em um ou em ambos os ouvidos?





6

Você costuma colocar o volume da TV ou do rádio mais alto do que as pessoas da sua família?





7

Você, frequentemente, tem infecções no ouvido?





8

As pessoas ao seu redor relatam que você fala muito alto?





9

Você costuma usar fones de ouvido no volume máximo?





10

Você tem histórico de surdez ou perda auditiva na sua família?





11

Após shows ou festas você percebe, temporariamente, zumbido ou piora na audição?