Novo tipo de hepatite acomete crianças

Enviado em: 17/05/2022

image

Desde o final do mês de abril, grandes veículos de mídia vêm noticiando casos de um novo tipo de hepatite, ainda com origem desconhecida pela ciência. O que se sabe, até o momento, é que a doença é súbita e grave e vem acometendo crianças pequenas. Uma das hipóteses para explicar os atuais casos de hepatite em crianças seria a junção de fatores como infecção prévia pelo SARS-CoV-2 (vírus causador da COVID-19) e infecção recente por adenovírus (que causa doenças respiratórias e gastrointestinais), levando a uma resposta exacerbada do sistema imune, causando um quadro de hepatite autoimune, em crianças suscetíveis. Mais estudos, entretanto, são necessários para entender melhor a origem dos casos.

Já são centenas de casos registrados ao redor do mundo e até o dia 25 de abril, segundo a Organização Mundial da Saúde, uma criança havia morrido e outras 17 precisaram realizar transplante de fígado, demonstrando a gravidade da doença. As primeiras ocorrências foram em países da Europa, Ásia e nos Estados Unidos, mas, recentemente, Argentina e Panamá reportaram um primeiro caso cada. No Brasil, o boletim do Ministério da Saúde divulgado em 14 de maio mostra que 44 casos suspeitos vêm sendo monitorados em 11 estados, seis deles no Rio de Janeiro.

A torcida é para que os novos casos não sejam tão agressivos e que os pais consigam detectar a doença logo. Nas crianças doentes, dados mostram que muitas não apresentaram a pele e os olhos amarelados, sinal característico da hepatite, atrasando o diagnóstico. Portanto, é importante ficar atento a esse sinal, mas também a outros sintomas, como diarreias, náuseas, vômitos e dores abdominais, e buscar atendimento médico para que a criança possa ser avaliada.

O que é hepatite?
A hepatite é uma doença que afeta as células do fígado causando inflamação. Pode ser originada por diferentes causas, sendo os vírus a principal. Dentre os mais comuns estão os vírus da hepatite A, B e C. Outras causas envolvem as hepatites autoimunes ou por uso de medicamentos.

O fígado é um importante órgão de metabolização do corpo. Sua inflamação pode levar a sintomas leves, moderados ou graves. O prognóstico da doença está diretamente relacionado com a sua gravidade. De acordo com a duração podem ser classificadas em hepatites aguda (duração inferior a 6 meses) ou crônica (duração superior a 6 meses). Em alguns casos, as infecções se manifestam de forma silenciosa com poucos sintomas ou mesmo assintomáticos.

Entretanto, quando presentes, os sintomas podem variar entre mialgia (dor muscular), náuseas, vômitos, prostração, letargia, dor abdominal, febre, diarreia e icterícia (pele e olhos amarelados). Em casos graves, o acometimento pode levar à insuficiência hepática com subsequente alteração neurológica.

O tratamento das hepatites dependerá da sua causa, evolução e intensidade. Poderá envolver apenas medidas de suporte e sintomáticos ou até mesmo uso de medicamentos, em especial antivirais.

Importante:
Autoridades de saúde reforçam que não há qualquer relação da doença com a vacina da COVID-19. A maior parte das crianças acometidas com esse tipo de hepatite tem menos de 5 anos e ainda não foram vacinadas.



Apoio de conteúdo:
CT (Md) Caroline Jarque
Pediatra da Policlínica Naval de Niterói

1T (Md) Flavia
Pediatra da Policlínica Naval de São Pedro da Aldeia