Dia Nacional do Doador Voluntário de Sangue: conheça uma história de solidariedade

Enviado em: 22/11/2022

image

Ninguém quer. Mas, eventos como uma cirurgia, um procedimento médico ou até um acidente podem acontecer e, assim, surgir a necessidade de uma transfusão de sangue. Para que isso aconteça, ter sangue disponível para doação é essencial.

O sangue doado não faz falta para o doador. Então, por que nem todas as pessoas se dispõem a doar? Medo, falta de tempo, cansaço: o que realmente impede que uma pessoa se torne doadora de sangue? O 1º SG-EF Evandro, que serve no Hospital Naval Marcílio Dias, conta como começou sua história de solidariedade e amor à vida.

COMO COMEÇOU... Minha história como doador começou em 1999 na Escola de Aprendizes-Marinheiros do Ceará. Foi lá que o Hemocentro de Fortaleza realizou uma campanha e fiz minha primeira doação. Em 2004, fui transferido para o Hospital Naval Marcílio Dias onde comecei a doar com mais frequência.

UM PASSO A MAIS... Em 2005, fiz o cadastro como doador de medula óssea no Hemorio. Quando estava fazendo uma doação, em 2010, fui voluntário para doar plaquetas. Faço doação de plaquetas desde então e até o momento já possuo mais de 80 doações de plaquetas aférese (concentrado de plaquetas especial obtido através de coleta por máquina).

CADA VEZ MAIS SOLIDARIEDADE... Sempre que o Hospital precisa de doação de plaquetas eles entram em contato comigo e agendam a doação. Por ser uma doação em que somente a plaqueta é retirada, consigo fazer com mais frequência. Já cheguei a efetuar, em um ano, 11 doações.

SER DOADOR... Eu acho que é um gesto simples que pode fazer uma diferença muito grande na vida de uma pessoa. Como enfermeiro, vivo essa realidade e sei como a doação pode ajudar a salvar uma vida.

PARA QUEM NUNCA DOOU... Eu diria que, pelo menos uma vez, a pessoa deve doar e conhecer o sentimento de ajudar uma pessoa desconhecida. Um gesto simples, rápido e que faz uma diferença muito grande na vida daquele que precisa.

    Condições básicas para doar:
  • Sentir-se bem e com saúde;
  • Portar documento oficial com foto;
  • Ter acima de 50kg;
  • Evitar consumir alimentos gordurosos no dia da doação;
  • Não estar de jejum;
  • Ter entre 16 e 69 anos (menores de 18 anos devem ter autorização do responsável legal). Limite de idade para primeira doação é de 60 anos;
  • Não ter múltiplos parceiros sexuais;
  • Não ter feito tatuagem nos últimos 6 meses;
  • Não estar gripado ou ter tido gripe nos últimos 7 dias;
  • Não ter diagnóstico de hepatite após os 11 anos, malária, doença de Chagas, diabetes mellitus com uso de insulina, epilepsia, hipo ou hipertireoidismo;
  • Não estar amamentando ou gestante;
  • Ter um intervalo de 10 dias após a recuperação para casos leves de COVID-19, 10 dias após o diagnóstico se for somente por exame laboratorial ou 7 dias após o último contato com alguém doente;
  • Ter um intervalo de 7 dias após vacinação contra COVID-19; e
  • Intervalo mínimo entre doações: 2 meses para homens, 3 meses para mulheres e 6 meses para maiores de 61 anos.

Doe sangue e incentive as pessoas ao seu redor a doar.

  • Local: Hospital Naval Marcílio Dias - Serviço de Hemoterapia
  • Endereço: Rua Cézar Zama, 183, Lins de Vasconcelos, Serviço de Hemoterapia (Banco de Sangue), 4º andar.
  • Telefone: (21) 2599-5481/2599-5482
  • Horário: 2ª a 5ª, das 7h às 13h, e 6ª, das 7h às 12h, exceto feriados




Compartilhe