Saiba como evitar a desidratação em idosos

Enviado em: 14/01/2020

No verão, a atenção ao risco de desidratação dos idosos deve ser redobrada, já que a perda significativa de fluido corporal prejudica, e muito, as funções normais do corpo.

A necessidade dos idosos em relação à ingestão de água é a mesma que se verifica em adultos mais jovens. No entanto, eles tendem a ingerir menos água do que o corpo precisa por vários motivos, entre eles:

  • A capacidade de detectar sede é menor;
  • Alguns deles sofrem de deficiência da memória, diminuição da mobilidade, doenças e uso de medicamentos que resultam em menor ingestão e maior perda de líquidos (fatores que prejudicam ainda mais o mecanismo da sede).

É importante lembrar que a desidratação põe em risco a saúde. Ela está associada a um maior risco de quedas, infecções urinárias, pedras nos rins, doenças bucais, xerostomia (boca seca), halitose, distúrbios broncopulmonares, constipação e confusão mental.

Por isso, a hidratação é sempre necessária, ainda que costume aumentar a necessidade de urinar. Isso não deve ser motivação para evitar ingerir líquidos. Para que os idosos se mantenham hidratados, é muito importante:

  • lembrar e incentivar a ingestão de água e outros líquidos (preferencialmente água aromatizada, água de coco e sucos naturais), mesmo que não estejam com sede.
  • oferecer líquidos de sua preferência em copos agradáveis e seguros.
  • oferecer alimentos ricos em água, tais como sopas, picolés, gelatinas e outros; e
  • disponibilizar o uso de sanitários a qualquer tempo.

As elevadas temperaturas do verão e o uso de ar condicionado demandam uma hidratação abundante. Por isso, fique atento com a desidratação, não se brinca! Hidratação é saúde!

Roberto Passos Villar
Capitão de Fragata(CD)
Ajudante do Centro de Coordenação do Atendimento ao Idoso na Marinha





Saiba mais em: