A vida após o câncer

Enviado em: 03/02/2020




A importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer é fundamental para a saúde das pessoas. Há alguns anos, receber o diagnóstico de câncer era quase uma sentença de morte, mas, atualmente, com as novas tecnologias e medicamentos, a cura desta doença já é uma realidade.

Um aspecto importante que tem sido abordado pelo Ministério da Saúde e pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA) é a necessidade da atenção àqueles que já tiveram a doença. Compreender as experiências e identificar as necessidades emocionais e físicas desses pacientes, cada vez mais, fazem parte do tratamento do câncer.

O câncer é uma doença complexa que afeta não só o organismo como um todo, mas também, as emoções. O período que envolve o tratamento é intenso e agressivo, além disso, todas as decisões e preocupações devem estar voltadas para a recuperação da saúde. Mas, assim que o câncer se encerra, o paciente continua com dúvidas e medos a respeito de sua condição de saúde e é importante ressaltar que a recuperação não acontece de imediato. A sensação de que seu organismo está diferente do que era antes é um sentimento comum e natural.

Por conta de uma série de fatores como o estágio do câncer, a intensidade do tratamento e as terapias adotadas para recuperação, não há como prever quando a pessoa irá se sentir bem novamente após o tratamento. Os cuidados com a saúde, de forma geral, precisam continuar ainda por um longo período e o acompanhamento médico deve ser permanente.

As sensações de fragilidade e de que a saúde já não é a mesma são comuns. O paciente tende a ficar mais atento aos sinais que o organismo envia e a ter mais cuidados com qualquer sintoma. Dessa forma, qualquer alteração na saúde ou sintoma que o paciente estiver sentindo devem ser informados ao médico imediatamente para o monitoramento da saúde, principalmente nos primeiros meses.

Essa condição pode permanecer por meses ou anos, dependendo da forma como cada organismo reage às medicações e também quais foram os órgãos afetados pelo tratamento. Por fim, encontra-se o dano psicológico causado pelo diagnóstico e pelo tratamento recebido, com todas as transformações geradas por este processo. Sendo assim, um bom aconselhamento e acompanhamento psicológico tendem a minimizar esse impacto.

O período após o tratamento do câncer deve ser encarado como uma nova fase da vida, uma oportunidade de conhecer melhor o próprio corpo e suas limitações, de manter o equilíbrio da saúde emocional e de compreender que, muitas vezes, é necessário mudar perspectivas e conceitos.

A atenção com a saúde, independentemente do câncer, deve ser para a vida toda. No aparecimento de qualquer sintoma, é imprescindível consultar um médico que poderá fornecer as informações necessárias e auxiliar a vivenciar de forma positiva essa nova fase da vida.

Ana Lúcia S. Castilhioni
Capitão de Mar e Guerra (RM1-S)
Coordenadora do Conselho Editorial





Saiba mais em: