Sífilis: com essa doença, você não vai querer passar de fase

Enviado em: 14/10/2020

image

Você pode nunca ter ouvido falar em treponema pallidum. Mas, certamente, já leu ou viu algo sobre a infecção que essa bactéria provoca: a sífilis, uma enfermidade sistêmica, exclusiva do ser humano.

É transmitida por contato físico com lesões e secreções e, mais comumente, pelo contato sexual. Pode passar para o feto (na gestação e durante o parto) e também ser adquirida pela transfusão sanguínea.

O termo sífilis foi utilizado pela primeira vez nos versos escritos pelo médico Girolamo Fracastoro no livro Syphilis Sive Morbus Gallicus (“A sífilis ou mal gálico”) em 1530. Ele conta a história de Syphilus, um pastor que amaldiçoou um deus e foi punido com o que seria a sífilis.

Fracastoro defendeu que a doença era transmitida pela relação sexual por pequenas sementes. Nessa época, a ideia não foi levada a sério, mas, no final do século XIX, o autor passou a ter crédito.

Os sintomas da sífilis variam bastante e alternam períodos sintomáticos e assintomáticos. Se não for tratada adequadamente, evolui para formas mais graves, podendo atingir o corpo humano em diversos locais, tais como: sistema nervoso e aparelhos cardiovascular, respiratório e gastrointestinal. Confira as fases da doença:

  • Sífilis primária - O primeiro sintoma é o surgimento de uma lesão única, indolor e com base endurecida.
  • Sífilis secundária - Quando não há tratamento na fase primária, ocorre a evolução para a sífilis secundária, período em que a bactéria já invadiu órgãos e líquidos do corpo.
  • Sífilis latente - Se não houver tratamento, após o desaparecimento dos sinais e sintomas da sífilis secundária, a infecção entra no período latente, período em que não apresenta qualquer tipo de manifestação.
  • Sífilis terciária – nessa fase, a doença pode levar dez, vinte ou mais anos para se manifestar, formando inflamações e destruindo tecidos e ossos. É aqui que a doença atinge o sistema nervoso (neurossífilis).

A prevenção é fundamental. Por isso, proteja-se, use preservativo e trate adequadamente caso os sintomas apareçam. Cuide da sua saúde, cuide de você. 17 de outubro – Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita.

Comitê de Comunicação do Saúde Naval



Referências:
Ministério da Saúde. Sífilis: estratégias para diagnósticos no Brasil


Veja também: