O Sarampo está de volta e você pode ajudar a combatê-lo

Em 2016, o Brasil alcançou a erradicação do Sarampo. Por um ano, nenhum caso foi registrado. Porém, esse quadro mudou. A população brasileira tem se demonstrado resistente à vacinação e, consequentemente, se exposto mais à doença. Novos casos têm sido confirmados em vários estados do Brasil e muitos outros vêm sendo investigados.

O Sarampo é uma doença grave, de desenvolvimento rápido, transmitida por um vírus por meio da saliva, espirros, tosse e até pela fala. A presença do vírus no sangue inflama as artérias que podem gerar vários sinais e sintomas, sendo os mais comuns a febre alta (maior que 38,5°C), tosse, coriza, manchas esbranquiçadas na cavidade oral (lábios, gengivas, céu da boca, língua, etc), seguidas de inúmeras pequenas placas vermelhas em todo o corpo.

Além desses sintomas, doenças oportunistas também podem aparecer, como pneumonia, otite média, e também diarreia. Todos esses efeitos são graves para qualquer pessoa, mas representam maior risco em crianças desnutridas e desidratadas.

A orientação atualizada do Ministério da Saúde é que, aos 12 meses de idade, a criança receba sua primeira dose e que, até os 29 anos, a pessoa seja vacinada novamente com duas doses de reforço. Dos 10 aos 29 anos, o ideal é receber duas doses e dos 30 aos 49 anos uma dose, se ainda não foi vacinado. Acima dos 49 anos, não há necessidade de vacinação visto que grande parte da população dessa faixa etária já teve contato com o vírus e adquiriu imunidade contra ele.

Idade Tríplice Viral (Sarampo, Caxumba e Rubéola)
Crianças 12 meses Primeira dose
15 meses Uma dose (reforço)
Adolescentes 10 a 19 anos Duas doses (verificar situação vacinal)
Adultos 20 a 29 anos Duas doses (verificar situação vacinal)
30 a 49 anos Uma dose (verificar situação vacinal)
Acima de 49 anos Não vacinar

Não existe um tratamento específico para o Sarampo. É recomendável a utilização de vitamina A nas crianças acometidas pela doença a fim de reduzir a ocorrência de casos graves e fatais. O tratamento profilático(preventivo) com antibióticos é contraindicado.

Nos casos sem complicações, o ideal é manter a pessoa bem hidratada e alimentada e combater a febre. Os sintomas podem demorar até oito semanas para desaparecerem.

Muito tem-se falado nas mídias sociais sobre o Sarampo. Algumas pessoas até defendem a não vacinação, porém, é importante que se tenha a consciência de que os novos casos surgiram justamente em pessoas não vacinadas. A única forma de prevenir o Sarampo é a vacinação. Atualize o seu cartão de vacinas e incentive outras pessoas a fazerem o mesmo.

Fonte: http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/sarampo

Kenio Almeida Magalhães
Primeiro-Tenente (Rm2-Md)
Conselho Editorial do Saúde Naval