Queimaduras em crianças

Segundo a Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ), no Brasil, as queimaduras representam a 4ª causa de morte e hospitalização, por acidente, de crianças e adolescentes de até 14 anos. A maioria destas queimaduras ocorre na cozinha e na presença de um adulto.


Lembre-se: a criança pode puxar as toalhas de mesa!

Fósforo, isqueiro, ferro de passar e aparelhos elétricos: devem mantidos em locais onde as crianças não tenham acesso.

Álcool líquido e outros combustíveis: itens como querosene, gasolina, óleo diesel e tíner não devem ser mantidos em casa. Frascos com estes produtos se inflamam na presença de chama ou faísca e provocam queimaduras muito graves. Acetona também é inflamável.

Churrasqueira: mantenha a criança longe! Nunca use álcool para acender o fogo e nem deixe garrafas do produto ou de outros combustíveis perto da churrasqueira. O frasco pode “explodir” atingindo várias pessoas, com consequências desastrosas.

Fogos de artifícios e balões: em festas juninas, não deixe as crianças brincarem perto de fogueiras, nem soltar fogos de artifícios e balões.

Produtos corrosivos: todos os produtos de limpeza e higiene devem ser estocados fora da vista e alcance das crianças. Não guarde em casa produtos como soda cáustica, ácidos e pesticidas agrícolas. Guarde sob chave qualquer produto químico, por mais inofensivo que aparente ser. Dê preferência a produtos que não estejam em embalagens atrativas e que sejam de difícil manipulação pela criança.

Pilhas e baterias de aparelhos eletrônicos: devem ser guardados ou desprezados em local seguro.

Brinquedos: para menores de 8 anos, evite brinquedos com elementos de aquecimento, baterias ou elétricos.

Pipas: ensine as crianças a não brincarem próximo à rede elétrica de alta tensão e nunca retirar pipas presas aos fios da rede elétrica!

Primeiros cuidados

Até que se tenha acesso ao atendimento médico siga as seguintes orientações:

  • Retire a roupa que cobre a área queimada. Se a mesma estiver grudada na área queimada, lave a região até que o tecido possa ser retirado delicadamente sem aumentar a lesão. Se continuar aderido à pele, o tecido deve ser cortado ao redor do ferimento;
  • Remova anéis, pulseiras e colares, pois o edema (inchaço) se desenvolve rapidamente;
  • Coloque a área queimada debaixo da água fria (e não gelada) ou coloque compressas limpas e frias sobre a queimadura até que a dor desapareça. O resfriamento das lesões com água fria é o melhor tratamento de urgência da queimadura, pois alivia a dor, limpa a lesão, impede o aprofundamento das queimaduras e diminui o edema subsequente;
  • Não utilize compressas úmidas por longo tempo em queimaduras extensas, pois podem ocasionar hipotermia (a temperatura do corpo da vítima ficar abaixo do normal);
  • Envolva a criança com lençol limpo, agasalhos e vá para o atendimento médico;
  • Dê um analgésico para alívio da dor;
  • Nas crianças conscientes e colaborativas com pequenas áreas queimadas - até 10% de superfície corporal queimada (SCQ) - a hidratação oral com água e sucos de frutas pode ser iniciada; e
  • Nas queimaduras extensas a perda de líquidos é muito grande e a reposição de líquidos e eletrólitos por via venosa, o mais rápido possível, é fundamental para sobrevivência do paciente.

O que NÃO fazer

  • Não use gelo nas queimaduras;
  • Não fure as bolhas da queimadura; e
  • Não use pomadas, nem produtos caseiros, tais como clara de ovo, pó de café, banha de galinha, pasta de dente, pimenta, dentre outros, pois além de não trazer quaisquer benefícios, podem favorecer as complicações infecciosas.

Todas as queimaduras devem ser tratadas de forma imediata para reduzir a temperatura da área queimada e os danos da pele e dos tecidos subjacentes. Em caso de acidentes, procure atendimento médico.

Ana Lúcia S. Castilhioni
Capitão de Mar e Guerra (RM1-S)
Conselho Editorial




Kenio Almeida Magalhães
1ºTenente (RM2- Md)
Conselho Editorial