Quem não tem colírio usa óculos escuros

Enviado em: 09/07/2019

image

Óculos escuros são acessórios muito utilizados, principalmente, em dias de sol. Com uma enorme variedade de lentes, formatos, cores, tendências e materiais, devem ser encarados não só como acessórios da moda, mas como itens indispensáveis à proteção dos olhos, principalmente nos dias ensolarados, com maior incidência dos raios ultravioletas (UV), especialmente em um país tropical como o nosso.

Mas que raios são esses? Os raios ultravioletas se subdividem em três: UVA, UVB e UVC. Este último é totalmente filtrado pela camada de ozônio, porém, os dois primeiros atingem a atmosfera e são responsáveis por danos à pele e aos olhos.

Segundo a Sociedade Brasileira de Oftalmologia, usar óculos escuros deve ser um hábito. Ficar debaixo do sol, sem lentes que protejam contra radiação ultravioleta, é um risco para a visão, principalmente, aos mais sensíveis como crianças e pessoas com íris claras (olhos claros).

Ao escolher um modelo de óculos escuros, além da resistência da armação, você deve levar em consideração a durabilidade da lente e a garantia de que a peça irá proteger seus olhos contra os raios UV. Sem dúvida, esses pontos são de extrema importância, pois um par de óculos de má qualidade pode ser barato para o seu bolso, mas sair caro para sua visão.

Com o uso dos óculos de sol, é comum que a pupila se dilate (devido à penumbra gerada por ele), permitindo a passagem de uma maior quantidade de raios UV. Durante a fabricação das lentes oftálmicas tradicionais, são empregadas várias tecnologias que filtrarão a incidência desses raios.

Já com as lentes escuras de qualidade duvidosa, a pupila é dilatada, permitindo passar uma maior quantidade de raios UV, e, consequentemente, provocar diversas lesões oculares a curto e longo prazos, tais como pterígio (crescimento anormal de uma membrana conjuntiva que recobre o olho, conhecida como carne crescida) e inflamações da córnea.

Além disso, aumenta o risco da Degeneração Macular Relacionada à Idade (DMRI), que ocorre geralmente depois dos 60 anos e afeta a área central da retina (mácula), acarretando baixa visão central (cegueira central).

Portanto, ao escolher seus óculos de sol, mesmo os que não tenham grau, compre em uma ótica de confiança, certifique-se de que possui o selo de proteção contra UVA e UVB , exija a nota fiscal e, sobretudo, o certificado de garantia.

Outra coisa muito importante: você sabia que os óculos de sol têm prazo de validade? Segundo estudo realizado pela Universidade de São Paulo, óculos escuros não duram para sempre. Aparentemente, os raios ultravioletas emitidos pelo sol enfraquecem gradualmente a proteção oferecida pelas lentes. Por esse motivo, devem ser trocados após dois anos de uso.

Higienizá-los regularmente com água corrente e sabonete neutro e sempre mantê-los guardados em seu estojo (quando não estiverem em uso) reduzem a degradação natural do filtro das lentes. Cuide dos seus óculos e, assim, cuide da sua saúde ocular.

Ana Lúcia S. Castilhioni
CMG (RM1-S)
Coordenadora Institucional do Saúde Naval



Saiba mais em: