Medicações e Perda Auditiva

Você sabia que alguns medicamentos podem causar danos à audição? Eles são chamados de medicamentos ototóxicos.

Estudos apontam que existem cerca de 200 remédios considerados prejudiciais à audição. Dentre eles, os mais frequentemente usados são os antibióticos do tipo aminoglicosídeos.

Essas substâncias tóxicas geralmente exercem sua ação, predominantemente, na orelha interna, mais especificamente nas células sensoriais da cóclea, resultando em uma perda auditiva, que pode ser temporária ou permanente.

Além dessa perda, o paciente pode apresentar sintomas como o zumbido, que geralmente surge antes mesmo que se perceba essa baixa na audição.

Outro sintoma que também pode estar presente é a tonteira, pois além do sistema auditivo, o sistema vestibular (conjunto de órgãos do ouvido interno responsável pela detecção de movimentos do corpo) também pode ser afetado.

Além do potencial ototóxico de cada medicação, o risco para desenvolver perda auditiva depende de fatores como: dose e duração do tratamento; histórico de problemas renais; uso concomitante de outras medicações potencialmente tóxicas; idade; história prévia de perda auditiva e predisposição genética.

Quando o uso de medicações ototóxicas torna-se inevitável, é fundamental o acompanhamento dos limiares auditivos com profissional especializado. Esta recomendação também inclui as crianças pequenas que, normalmente, não conseguem expressar verbalmente os seus sintomas, exigindo cuidado especial nesse monitoramento.

Se na vigência do seu tratamento você perceber redução na capacidade auditiva ou qualquer tipo de incômodo no ouvido, fale com seu médico, pois além desse monitoramento auditivo com fonoaudiólogo, talvez seja necessário fazer mudanças em seu tratamento.

Vimos que há casos em que a perda auditiva pode ser reversível, por isso a importância de se detectar o problema o mais cedo possível.


Ana Paula Almeida do Nascimento
Capitão de Corveta (S)
Conselho Editorial Saúde Naval