Mamografia: o caminho para a prevenção do câncer de mama

Enviado em: 02/02/2021

image

Em 5 de fevereiro, é comemorado o Dia Nacional da Mamografia. Instituída em 2009, a data conscientiza e alerta a população sobre a importância do exame para detecção precoce do câncer de mama, uma das principais causas de morte entre as mulheres no Brasil.

Conforme dados de 2018, o câncer de mama é o segundo tipo de câncer que mais ocorre no mundo. Entre as mulheres, está em primeiro lugar, correspondendo a um total de 29%. O tratamento eficaz é diretamente proporcional à precocidade com que se diagnostica, por isso, a mamografia, principal exame que detecta a doença em estágio inicial, é essencial.

O câncer de mama é uma doença que pode ocorrer por diversos motivos e, com exceção de fatores comportamentais como sobrepeso, ingestão de bebidas alcoólicas e exposição à radiação ionizante, os demais aspectos que aumentam a chance de desenvolver um tumor mamário não são modificáveis.

Em razão disso, os especialistas utilizam a chamada estratégia de prevenção secundária, que consiste em pesquisar o câncer quando ainda não há sinais e sintomas, para isto, é utilizado o exame de mamografia, que consiste em uma radiografia do tecido mamário feita por um equipamento de raio-X denominado mamógrafo.

A mamografia permite o diagnóstico precoce do câncer de mama, possibilitando que a mulher saiba que é portadora da doença antes mesmo de apresentar qualquer sintoma e faça o tratamento antes que o tumor cresça e se “espalhe”. Diversos estudos mostram que o rastreamento mamográfico reduz de forma importante a mortalidade por câncer de mama, bem como diminui a agressividade do tratamento.

O Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR), a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) e a Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) recomendam que o exame seja feito anualmente em todas as mulheres a partir dos 40 anos, e mais precocemente em mulheres com alto risco genético ou histórico familiar de parentes de primeiro grau (pais, irmãos) com câncer de mama.

No rastreamento das mamas, além da mamografia, a ultrassonografia e a ressonância magnética também são exames que ajudam na investigação, porém não são recomendados como rastreio, portanto não substituem a mamografia e sim a complementam, caso necessário. Por isso, ambos têm indicações específicas e devem ser usados com propriedade, indicados pelo especialista.

Importante também incentivar as mulheres a conhecer o próprio corpo e reconhecer alterações suspeitas, sem esquecer da importância de terem suas consultas ginecológicas em dia. O câncer de mama permanece como uma doença desafiadora e o melhor método para detecção precoce, hoje, é o exame de mamografia. Por isso, além da realização do exame anualmente, é importante o retorno ao médico ginecologista ou ao mastologista para avaliação e melhor conduta a ser tomada em cada caso. Cuide da sua saúde. Cuide de você.


1T (Md) Táyra
Mastologista
Hospital Naval de Brasília


1T (Md) Emilyn Monção
Radiologista
Policlínica Naval Nossa Senhora da Glória









Veja também: