Depressão em mulheres

Depressão em Mulheres

A depressão tem afetado cada vez mais a população. Entre 2005 e 2015, ela cresceu 18% no mundo inteiro. No Brasil, a doença já atinge 5,8% da população (cerca de 11,5 milhões de pessoas). A Organização das Nações Unidas no Brasil (ONU Brasil) apontou três fatos importantes sobre a depressão: pode levar ao suicídio; possui tratamentos eficazes e; as mulheres são mais afetadas pela doença do que os homens.

A depressão pode se tornar uma grave condição de saúde, inclusive levando à disfunção no trabalho, no meio do familiar e, quando agravada, ao suicídio. Assim, faz-se necessária a identificação dessa situação, seu tratamento e também o conhecimento de que as mulheres devem ter uma atenção maior a eventuais sintomas.

Sabe-se que a depressão pode ser desencadeada por fatores biológicos, psicológicos e sociais. Desta forma, entende-se o porquê desta condição alcançar cada vez mais a mulher contemporânea.

A tripla jornada de trabalho, muitas vezes presente para o sexo feminino e que engloba o emprego, os cuidados com a casa e a dedicação aos filhos, tem trazido uma sobrecarga significativa de atividades diárias. Em muitas realidades familiares, a mulher fica impossibilitada de cuidar do seu corpo, que é uma forma de prevenir a depressão (como praticar atividade física e alimentar-se de forma saudável).

Também, como consequência dos diversos papéis que a mulher tem desempenhado na sociedade, existe a autocobrança. A mulher da atualidade tende a se cobrar por seu desempenho ideal em todas as funções que exerce, gerando uma exaustão e uma frustração. Isto afeta o psicológico e desencadeia ansiedade, depressão e outras desordens psíquicas.

O problema é que o estigma associado aos transtornos mentais ainda é um obstáculo para que as pessoas procurem ajuda. É importante frisar que existe tratamento para a depressão. Mulher, se você consegue fazer tantas coisas ao mesmo tempo, por que não tira um tempinho para se cuidar? A depressão tem cura.

Fontes:

https://nacoesunidas.org/oms-registra-aumento-de-casos-de-depressao-em-t...

https://news.un.org/en/story/2017/02/552062-un-health-agency-reports-dep...

VIEIRA, Adriane and AMARAL, Graziele Alves. A arte de ser Beija-Flor na tripla jornada de trabalho da mulher. Saude soc. [online]. 2013, vol.22, n.2, pp.403-414

Sarah Dias Silva
Segundo-Tenente (RM2-S)
Conselho Editorial do Saúde Naval