Mindful Eating e o poder da alimentação consciente

Enviado em: 13/10/2020

image

A mudança brusca na rotina e o estresse causados pelo novo coronavírus colocaram a nossa rotina do avesso e trouxeram diversas mudanças que refletiram diretamente na nossa alimentação, no trabalho, nas relações sociais, mentais e corporais.

Passar um período prolongado em casa teve suas consequências, principalmente com relação à ansiedade e ao aumento de peso. O ato de se alimentar não está relacionado somente com a questão da fome e da saciedade.

Muitas vezes, comemos com a emoção (fome emocional), buscando prazer em alimentos de baixo valor nutricional e alto teor calórico para suprir uma vontade e/ou uma necessidade pessoal pelo simples fato de se obter a sensação de bem-estar, que está relacionada à liberação dos hormônios da “felicidade”: dopamina, serotonina, endorfina e ocitocina.

A alimentação é um ato instintivo, natural e essencial. Estabelecer uma relação saudável com a comida é uma forma de comer conscientemente (Mindful Eating). A prática do comer consciente faz com que as pessoas consigam ter a visão plena da comida e de todas as refeições de maneira que o alimento aguce os sentidos e envolva o corpo e a mente.

Ao se alimentar de forma consciente, você aprende que restrição não é a solução para emagrecer, que não é preciso abdicar de alguns alimentos e que não precisa fazer a dieta da moda para obter resultados rápidos e temporários. Aprende a impor limites e a identificar quando, de fato, está satisfeito; aprende a ter autopercepção e autoconhecimento sobre as escolhas e os alimentos e a reconhecer os sinais de fome, vontade e saciedade.

Os benefícios dessa prática estão no controle da ansiedade, na identificação dos gatilhos emocionais, na mudança de pensamento, na melhoria da digestão, na absorção dos nutrientes (por aprender a apreciar os sabores) e na forma como você se relaciona com o alimento e o corpo.

Os velhos hábitos de comer e não prestar atenção ao que se come e ao que se faz não são fáceis de mudar. Não tente fazer mudanças drásticas. A mudança é gradativa e é construída a partir da modificação de pequenos hábitos.

image

Referências:
ALVARENGA, M. et al. Nutrição Comportamental. 1ª edição. Barueri- SP: Editora Manole Ltda, 2016.
SILVERTON, S. A revolução Mindfulness: Um guia para praticar a atenção plena e se libertar da ansiedade e do estresse. 2ª edição. São Paulo: Editora Alaúde, 2018.

Jessica Lopes Dantas
Primeiro-Tenente(RM2-S)
Nutricionista
Escola Naval





Veja também: