A catarata

image

Presenciar um lindo pôr do sol, admirar um sorriso de uma criança, assistir um filme... A visão é responsável por cerca de 80% da percepção de mundo e os olhos são responsáveis por este sentido.

Dentro do olho, há uma estrutura chamada de cristalino, que é transparente, o qual permite que a luz entre nos olhos, sensibilizando a retina. A catarata é caracterizada pela perda de transparência desta estrutura.

Estima-se que mais da metade dos idosos no mundo tem catarata. No Brasil, 120 mil pessoas recebem o diagnóstico da doença anualmente. O primeiro sintoma é o embaçamento da visão podendo até chegar à cegueira. A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que a enfermidade é responsável por 51% dos casos de cegueira no mundo, o que representa cerca de 20 milhões de pessoas.

A catarata é uma das grandes causadoras de dificuldade para realização de tarefas diárias. Então, atenção: o embaçamento da visão, dificuldade de enxergar ao dirigir, mudança frequente dos óculos, esforço para diferenciar cores e interpretar as expressões das pessoas podem indicar a presença da doença.

O principal tipo de catarata é aquele relacionado com a idade. Com a expectativa de vida aumentando, o número de pessoas acometidas tende a crescer. Portanto, todo paciente adulto deve passar por exame oftalmológico, de preferência uma vez por ano. De forma mais rara, existe a catarata congênita, que acomete crianças e que, geralmente, pode ser detectada pelo “teste do olhinho”, exame indicado para os recém-nascidos.

Não há como evitar a predisposição genética e nem o envelhecimento do cristalino. Certas medidas preventivas, no entanto, podem ser tomadas para reduzir alguns fatores de risco para o desenvolvimento da doença, como não fumar, proteger-se contra a radiação ultravioleta, através do uso de óculos escuros (principalmente com proteção UVB), controle do diabetes, evitar o uso de corticoides e os traumas oculares.

O tratamento para a catarata é cirúrgico e, após o procedimento, o paciente volta a enxergar. Simples e rápida, a cirurgia é feita com anestesia local e consiste em substituir o cristalino por uma lente artificial que recupera a visão perdida. Essa lente pode ser de vários tipos e corrige diferentes problemas na visão. Assim, depois da cirurgia, o paciente eliminaria também os óculos, sejam eles para perto ou longe. Atualmente, não permitimos que haja uma evolução significativa da catarata para operá-la, pois assim reduzimos os riscos de complicações cirúrgicas.

Se houver dúvida quanto ao aparecimento da catarata, procure seu Oftalmologista!

Lara Diniz
Primeiro-Tenente(Md)
Encarregada da Seção de Oftalmologia
Policlínica Naval de Campo Grande