A importância do brincar e a saúde infantil

É sabido que a geração atual de crianças não brinca mais das mesmas brincadeiras que os pais. Com a tecnologia e a falta de segurança, a maior parte das crianças vive de forma sedentária, levando a diversas doenças que, antigamente, eram mais comuns na idade adulta e velhice.

O uso inadequado dos vídeo games, tablets e smartphones contribuem para a diminuição do interesse e busca por atividades que demandam movimento. O sedentarismo é a falta ou diminuição de atividade física, prática de esporte ou qualquer atividade da rotina, e é apontado como a segunda maior causa de morte no mundo. A falta de movimento na infância pode ocasionar o ganho de peso excessivo, além de gerar diversos distúrbios motores, cognitivos e sociais.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS, 1995), em 2025 o número de crianças e adolescentes com sobrepeso e obesidade pode chegar a 75 milhões. A obesidade é uma doença na qual o excesso de gordura corporal se acumula a tal ponto que a saúde pode ser afetada. Doenças como a hipertensão arterial, diabetes e dislipidemias são mais frequentes em indivíduos obesos. Atualmente, a obesidade infantil é considerada um problema de saúde pública, visto que a criança terá uma série de restrições motoras, sociais e pode vir a se tornar um adulto obeso.

É um desafio para pais e educadores tornar o brincar um momento de lazer prazeroso. É na brincadeira que os vínculos sociais e afetivos se constroem, permitindo que a criança descubra seu corpo no espaço, amplie sua coordenação motora, equilíbrio e lateralidade. O simples ato de brincar amplia o mundo psicomotor da criança, facilitando seu aprendizado escolar e suas relações sociais.

A infância é a fase em que construímos a base para a vida adulta. Propicie uma vida saudável às crianças. Brinque, pratique esporte e se alimente bem. Lembre-se que os adultos são exemplos dos hábitos construídos ao longo da infância. Boa diversão!

1ºT (S) Ericka Caminha
Encarregada de Enfermagem 10º B
Hospital Naval Marcílio Dias




Para saber mais, leia:




Compartilhe