RECONSTRUÇÃO DA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ (EACF)

Responsável na SECIRM:

Assessoria Especial para a Reconstrução da EACF:

CMG(RM1) GERALDO Gondim Juaçaba Filho

Assessor Especial

Tel: + 55 61 3429-1665

e-mail: geraldo@marinha.mil.br

 

CMG EDUARDO da Costa Pereira JÚNIOR

Assessor Especial

Tel: +55 61 3429-1331

e-mail: eduardo.junior@marinha.mil.br

 

CF(EN) José COSTA dos Santos

Assessor de Engenharia e Fiscalização

Tel: +55 61 3429-1331

e-mail: jcosta@marinha.mil.br

Módulos Antárticos Emergenciais (MAE)

módulos antárticos emergenciais

Os Módulos Antárticos Emergenciais (MAE) foi instalado na Península Keller para abrigar cientistas, militares brasileiros e trabalhadores da reconstrução da EACF na Antártica. São 45 módulos, em uma área de aproximadamente 940m², dispostos sobre o heliponto e nas proximidades da EACF. Compostos por seis dormitórios, enfermaria, cozinha, refeitório, escritório e um laboratório, os MAE foram devidamente mobiliados e equipados com os sistemas elétrico, hidrossanitário e de combate a incêndios, além de contar com conexão à internet, acesso à telefonia móvel e a um canal de TV brasileiro.

Os Módulos Antárticos foram projetados para formar um sistema completo e autossuficiente. Além disso, 100% do material é recuperável e transferível para outros locais, no todo ou em parte, dependendo das especificidades da nova missão. O sistema foi desenvolvido para realocação simples e rápida, oferecendo flexibilidade de layout para futuros módulos ou para a divisão em instalações separadas

Com capacidade para acomodar até 66 pessoas, os MAE estão abrigando o Grupo-Base da Marinha e os trabalhadores da China Electronics Import and Export Corporation (CEIEC), empresa contratada para reconstruir a EACF - até a reconstrução das edificações definitivas da Estação Antártica Comandante Ferraz, mantendo assim a capacidade do País de dar continuidade à presença permanente do Brasil na Antártica.

Reconstrução da Estação Antártica Comandante Ferraz

Em 2013, a SECIRM, com o apoio técnico das Diretorias Especializadas da MB, iniciou o processo para a contratação do projeto de reconstrução da EACF. Após a conclusão do projeto executivo, foi iniciado o processo licitatório internacional para a contratação de empresa para a execução da obra. Em 31 de agosto de 2015, foi assinado o contrato com a empresa estatal chinesa China Electronics Import and Export Corporation (CEIEC), vencedora do certame. As atividades iniciais para a obra começaram neste mesmo ano.

A edificação principal da futura estação antártica será composta por três blocos:

1. O Bloco Leste será destinado às pesquisas, convívio e serviços da EACF. Nele estarão os 14 laboratórios, refeitórios, cozinha, setor de saúde, sala de secagem e oficinas;

2. O Bloco Oeste será o lugar privativo onde serão instalados, no nível superior, os 32 camarotes, biblioteca, ginásio e sala de vídeo/auditório e, no nível inferior, paióis de mantimentos e tanques de aguada e de combate a incêndio; e

3. O Bloco Técnico será a garagem e a praça de máquinas da estação, onde estarão localizados os geradores, quadros elétricos, caldeiras, estação de tratamento de água e esgoto, incinerador, entre outros.

Nova estação 3D

A obra foi planejada para ser executada em quatro fases distintas e consecutivas, sendo duas de fabricação e pré-montagem na China e duas de montagem na Antártica.

A primeira fase foi concluída conforme planejado e, para a execução da fase seguinte, foram montados, em dezembro de 2016, no canteiro de obras na antártica, um alojamento para 72 pessoas e uma plataforma com guindaste, que proporcionou agilidade ao desembarque de material a partir do navio fretado pela empresa contratada.

Em seguida, foi realizada a montagem dos blocos de concreto pré-moldados que constituem as fundações da edificação principal, a qual obedeceu à seguinte sequência: escavação, preparação e regularização do leito, instalação da chapa base, montagem das peças de concreto e da cruzeta e reaterro. Essa fase foi concluída em março de 2017, ao término do verão antártico.

A terceira fase, realizada em Xangai, consistiu na fabricação e pré-montagem dos pilares, estruturas e contêineres que constituem os Blocos Leste, Oeste e Técnico, além dos Módulos Isolados. Essa fase foi concluída em novembro de 2017, após a desmontagem, catalogação e embarque dos diversos itens no navio, fretado pela contratada, com destino à Antártica.

A quarta fase foi executada em duas etapas:

A primeira etapa ocorreu de 25 de dezembro de 2017 a 31 de março de 2018, quando foram concluídas as montagens de 2/3 do bloco oeste, pilares e estrutura inferior do bloco leste, parcial da estrutura do bloco técnico e as unidades isoladas de telecomunicações, Meteorologia e VLF.

De abril a outubro de 2018, todo o material necessário para o término da obra ficou armazenado em Punta Arenas, Chile.

A segunda etapa teve início com o retorno do navio Magnólia, fretado pela CEIEC, em Ferraz no dia 8 de outubro de 2018 e iniciou os seguintes trabalhos, neste verão antártico:

a) O término da montagem do prédio principal composto pelos blocos Leste, Oeste e Técnico; e

b) Conclusão dos módulos isolados: de telecomunicações, de Meteorologia/Ozônio, de VLF, lavagem de sedimentos, de mergulho e paiol de resíduos perigosos.

Nessa fase trabalharam na reconstrução 263 operários da CEIEC e 7 fiscais designados pela SECIRM, sendo 5 Engenheiros Navais da Marinha e 2 do IBAMA, com o apoio do Grupo Base (GB) composto de 16 militares.

Os testes, o treinamento e o comissionamento dos diversos sistemas da nova EACF estão previstos para ocorrerem no verão 2019/2020.

A inauguração da EACF está prevista para janeiro de 2020.

Canteiro EACF