Nosso Patrono

Almirante Álvaro Alberto da Motta e Silva

1889 - 1976

PATRONO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NA MARINHA
 

O Almirante Álvaro Alberto nasceu no Rio de Janeiro, em 22 de abril de 1889, e trilhou o caminho das Ciências.

Em 1906, ingressou na Escola Naval (EN), onde se formou como Oficial da Marinha, tendo conquistado o Prêmio Greenhalgh, destinado a premiar o Aspirante do Corpo da Armada que tenha apresentado o mais alto índice de rendimento nos estudos, se destacando entre os demais.

Graduou-se Físico e Engenheiro Geógrafo, em 1911, pela Escola Politécnica do Rio de Janeiro. Mais tarde, estudou na École Centrale Técnique, em Bruxelas, na Bélgica.

Já em 1916, passou a lecionar a matéria “Química dos Explosivos” na Escola Naval. No ano de 1939, tornou-se catedrático do Departamento de Física e Química na Escola Naval, onde introduziu o estudo da Física Nuclear. Durante mais de 30 anos, dedicou-se ao magistério sem abandonar suas pesquisas, especialmente na área de explosivos e, de modo mais aprofundado, na área de energia nuclear, sendo, deste modo, o pioneiro no Brasil no estudo e nas pesquisas sobre energia nuclear. Foi de fundamental importância na criação do Programa Nuclear Brasileiro. Em sua homenagem, o primeiro submarino de propulsão nuclear terá o seu nome: SN-BR “Álvaro Alberto”.

Idealizador e primeiro Presidente do, à época, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), atual Conselho Nacional de Pesquisas, o Almirante Álvaro Alberto foi, também, representante brasileiro na Comissão de Energia Atômica (CEA) da Organização das Nações Unidas (ONU), Presidente da Academia Brasileira de Ciências (ABC) e Presidente da Liga Nacional de Defesa.

Quando na presidência do CNPq, participou ativamente da criação do Instituto de Matemática Pura e Aplicada, do Instituto de Pesquisas da Amazônia, do Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação, e da Comissão Nacional de Energia Atômica.

Reconhecido e respeitado na Academia, o Almirante Álvaro Alberto sempre defendeu que “o desenvolvimento científico e tecnológico está intimamente ligado com a prosperidade do País”.

E, acreditando nisso, deu início a uma nova era na pesquisa científica no Brasil, com a criação do CNPq, cujo principal objetivo na época e que perdura até hoje é investir no potencial humano.

Foi transferido para a reserva remunerada da Marinha em 1942, no posto de Capitão de Mar e Guerra e, mesmo nesta condição, por reconhecimento aos seus feitos, foi promovido, pelo Presidente da República, à Contra-Almirante, em 1949, e à Vice-Almirante, em 1955.

Homenagens que perpetuam sua memória na história:

Da Marinha do Brasil:

Navio Oceanográfico “Almirante Álvaro Alberto”

 

- A denominação em 1988, com o seu nome, do Navio Oceanográfico “Almirante Álvaro Alberto”, que deixou o Serviço Ativo em 25/03/1993.

 

“Dia da Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha do Brasil”

- A instituição do “Dia da Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha do Brasil”, comemorada na data de seu nascimento. Sendo-lhe concedido o título de “Patrono da Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha”. Nesta data tão significativa, o Diretor-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha em sua “Ordem do Dia” não só enaltece a figura do Almirante Álvaro Alberto pelos seus feitos, assim como concita a todos a prosseguir no rumo da obtenção do conhecimento, visando a independência tecnológica.

SN-BR “Almirante Álvaro Alberto”

- O primeiro submarino com propulsão nuclear brasileiro será denominado SN-BR “Almirante Álvaro Alberto”.

Do Instituto Histórico, Geográfico e Genealógico de Sorocaba e da Sociedade Amigos da Marinha de Sorocaba

Colar “Almirante Álvaro Alberto da Motta e Silva”

 

- O Colar “Almirante Álvaro Alberto da Motta e Silva”.

Do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

“Prêmio Almirante Álvaro Alberto”

- A instituição do “Prêmio Almirante Álvaro Alberto” que é constituído de prêmio em espécie, diploma e da Medalha “Álvaro Alberto do Mérito Científico e Tecnológico”.