Ministro da Defesa visita instalações do Programa Nuclear da Marinha em São Paulo

No âmbito do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) da Marinha do Brasil (MB), a construção, em território nacional, do primeiro Submarino Nuclear Convencionalmente Armado destaca-se como a mais importante etapa, pois se trata de um meio naval de alta complexidade tecnológica, que representa um avanço sem precedentes no poder dissuasório para a defesa do País.

Para acompanhar o andamento e conhecer os avanços tecnológicos desse projeto, o Ministro da Defesa, José Múcio Monteiro Filho, visitou, nesta quarta-feira (24), o Centro Industrial Nuclear de Aramar (CINA), em Iperó (SP), onde boa parte da tecnologia nuclear para o PROSUB é desenvolvida.

Acompanhado pelo Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Marcos Sampaio Olsen, e pelo Diretor-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, Almirante de Esquadra Alexandre Rabello de Faria, o Ministro conheceu os avanços alcançados pelo Programa Nuclear da Marinha (PNM) e pelo PROSUB, ambos ligados ao Programa Nuclear Brasileiro (PNB).

Ministro em visita ao LABGENE acompanhado do Comandante da Marinha

 

Ele também percorreu o Laboratório de Enriquecimento Isotópico (LEI), onde é desenvolvida a tecnologia de enriquecimento de urânio e o Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica (LABGENE), cuja função é validar de forma segura a operação do reator de propulsão naval e dos sistemas eletromecânicos e de controle integrados do submarino nuclear convencionalmente armado. Além disso, seguindo uma tradição adotada nas visitas ao complexo nuclear de Aramar, o Ministro fez o plantio de uma árvore no jardim do local. 
“Quero parabenizar a Marinha do Brasil por esse extraordinário trabalho. Isso pertence às próximas gerações. Isso é uma fonte de conhecimento, um quadro técnico extraordinário. Quero parabenizar também todos que estão envolvidos aqui pelo entusiasmo e pelo senso de responsabilidade que têm, por estarem servindo ao País”, declarou o Ministro.


Ministro planta um Ipê Amarelo no jardim do Centro Industrial Nuclear de Aramar

 

LABGENE

Localizado a cerca de 120 km da capital paulista, o CINA abriga o LABGENE, projeto de desenvolvimento único e inédito no País, que envolve desafios tecnológicos, uso intensivo de pesquisa e inovação, sendo realizado exclusivamente por brasileiros. O Laboratório, que está sendo construído pela MB, consiste em um modelo da planta nuclear que será empregada na propulsão do Submarino “Álvaro Alberto”. Sua prontificação permitirá à Marinha a realização de testes e a certificação desse complexo sistema. Ao final dessa etapa, um reator similar ao certificado será montado e instalado no Submarino, dessa vez, no Complexo Naval de Itaguaí (RJ).

Benefícios do PROSUB

O PROSUB é um Programa de Estado de base científica e tecnológica, com grande relevância geopolítica e estratégica para o País, e representa o completo envolvimento da MB no Programa Nuclear Brasileiro. O trabalho desenvolvido já alcançou o domínio autóctone do Ciclo do Combustível Nuclear e a evolução da Planta de Propulsão Nuclear do futuro Submarino Nuclear Convencionalmente Armado, nomeado de “Álvaro Alberto”, em homenagem ao Almirante pioneiro das pesquisas em energia nuclear no Brasil.

Com o PROSUB, o Brasil estará no seleto grupo de países capazes de projetar, construir, manter e operar seus próprios submarinos. Além disso, o Programa tem um impacto significativo na economia, já tendo gerado mais de 60 mil empregos diretos e indiretos, envolvendo cerca de 700 empresas.

Para além das áreas de segurança energética e de Defesa, a geração do conhecimento e a preparação intelectual de brasileiros no campo nuclear propiciam o emprego dual dessa tecnologia, com significativos ganhos em diversos outros setores estratégicos para a economia nacional. A participação das universidades, dos institutos de pesquisas e da indústria nacional na execução das atividades do PROSUB assegura a disseminação e retenção do conhecimento no País.

O Diretor de Desenvolvimento Nuclear da Marinha, Contra-Almirante (Engenheiro Naval) Sérgio Luis de Carvalho Miranda, avalia que “esses projetos trazem um grande benefício para a sociedade, não só em relação às aplicações para a Marinha do Brasil e para a Defesa Nacional, como também aplicações para a sociedade em áreas como a indústria e o agronegócio. No âmbito da medicina nuclear, os avanços possibilitam um maior alcance para a população, como exames e tratamentos”.

Na área de geração de energia elétrica, o domínio do enriquecimento de urânio, conquistado em 1988 com tecnologia 100% brasileira, e que vem sendo aprimorada ao longo dos anos, contribui com a produção de equipamentos para a empresa “Indústrias Nucleares do Brasil” - INB e insumos para usinas de geração de energia.