Centro Tecnológico da Marinha no Rio de Janeiro recebe visita do Comandante de Operações Aeroespacial

No dia 24 de maio, o Centro Tecnológico da Marinha no Rio de Janeiro (CTMRJ), por meio do Instituto de Pesquisas da Marinha (IPqM), recebeu a visita do Comandante de Operações Aeroespaciais (COMAE), Órgão Central do Setor Operativo da Força Aérea Brasileira (FAB), Tenente-Brigadeiro do Ar José Magno Resende de Araújo, acompanhado do Comandante do 1º Distrito Naval, Vice-Almirante Flávio Augusto Viana Rocha, e comitiva.


Foto oficial da visita em frente ao local de exposições
do Grupo de Sistemas de Guerra Eletrônica e Radar do IPqM

 

Na ocasião, o Diretor do CTMRJ, Contra-Almirante Luiz Carlos Delgado, acompanhado do Diretor do IPqM, Capitão de Mar e Guerra José Vicente Calvano, recebeu a comitiva no Grupo de Sistemas de Guerra Eletrônica e Radar do Instituto, onde o Tenente-Brigadeiro do Ar Araújo foi apresentado a alguns projetos já concluídos pelo Grupo de interesse da Força Aérea Brasileira (FAB), como: os Equipamentos de Contramedidas Eletrônicas CME-1, CME-1A e CME-2; os equipamentos MAGE Defensor e MAGE Veicular; e o Pacote de Ferramentas de Software de Análise ELINT (PFSAE). A comitiva também visitou a câmara anecoica do IPqM.


Tenente-Brigadeiro do Ar Araújo durante apresentação no Laboratório
do Grupo de Sistemas de Guerra Eletrônica e Radar do IPqM

 

A visita teve o objetivo de apresentar o projeto, em fase de negociação, para o desenvolvimento de uma versão do MAGE Defensor, a ser customizado para as aeronaves Patrulha P-95 da FAB, em consonância com a Estratégia Nacional de Defesa (END) e programas a ela associados. Em sua primeira fase, o projeto prevê a instalação de uma Unidade de Processamento do MAGE Defensor a bordo de uma das plataformas aéreas de patrulha, a fim de incrementar a sua capacidade de detecção, classificação e armazenamento de sinais eletromagnéticos. As fases posteriores, também sob responsabilidade do IPqM, preveem o desenvolvimento de um sistema MAGE completo para aplicação aérea, com instalação de oito equipamentos em aeronaves P-95 da FAB. Adicionalmente, a visita permitiu que o COMAE identificasse áreas de interesse comum visando o estabelecimento eventual de novos projetos e parcerias de cooperação técnica.

A visita contribuiu para consolidar o IPqM como Instituição Científica e Tecnológica de excelência em diversos setores de pesquisa e desenvolvimento, com foco específico na área de Guerra Eletrônica, a fim de contribuir para a independência tecnológica do Brasil, o desenvolvimento da Base Industrial de Defesa e o fortalecimento das parcerias técnico-científicas com as Forças coirmãs.