Exposição realizada durante o IV Simpósio de CT&I da Marinha reúne projetos da Força e de empresas da área da Defesa

O IV Simpósio de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha, promovido dias 30 e 31 de outubro, no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo (SP), pela Marinha, por meio da Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha (DGDNTM), foi composto por palestras, debates e Mesa Redonda e, também, por uma Exposição realizada por algumas das Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação da Marinha (ICT) e por empresas da Base Industrial de Defesa (BID).

 

O Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Leal Ferreira; o Ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab; e o Diretor-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, Almirante de Esquadra Bento

O IV Simpósio de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha, promovido dias 30 e 31 de outubro, no Centro de Convenções Rebouças, em São Paulo (SP), pela Marinha, por meio da Diretoria-Geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha (DGDNTM), foi composto por palestras, debates e Mesa Redonda e, também, por uma Exposição realizada por algumas das Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação da Marinha (ICT) e por empresas da Base Industrial de Defesa (BID).

A Exposição
A DGDNTM apresentou o Sistema de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha, sua estrutura e funcionamento, por meio da projeção de vídeos institucionais e divulgou a Revista “Pesquisa Naval” – um periódico publicado pela DGDNTM, anualmente, que apresenta à comunidade científica uma coletânea de artigos desenvolvidos por pesquisadores, cujos temas sejam pertinentes às áreas de interesse da Marinha.

A DGDNTM divulgou, ainda, a Tinta “Ferrugem Protetora”, um primer destinado a ser aplicado em aços para a proteção de suas superfícies, desenvolvido a partir de estudos realizados nos Cursos de Mestrado e Doutorado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais, por um oficial da Marinha e por um aluno civil, orientados por professores da Universidade Federal do Rio de Janeiro. A Tinta “Ferrugem Protetora” se destaca por ser um produto inovador: formulado com a ferrugem formada sobre o aço, com o objetivo de igualar o potencial da ferrugem com o da tinta; e único: aproximadamente três vezes mais potente do que os produtos similares encontrados no mercado. Produzida a partir do conhecimento e de tecnologias nacionais, a Tinta “Ferrugem Protetora” já foi registrada no Brasil, nos EUA e na Europa e se constitui um exemplo de inovação resultante do trabalho pautado na “Hélice Tríplice” do conhecimento científico.

O CTMSP apresentou o Projeto do RMB

O Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP) e a Amazônia Azul Tecnologias de Defesa (AMAZUL) apresentaram o Projeto de desenvolvimento do protótipo do Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), que será empregado na propulsão do primeiro Submarino Nuclear Brasileiro – uma das metas essenciais para o atendimento das necessidades do Programa de Desenvolvimento de Submarinos (PROSUB) e que compõe o Programa Nuclear Brasileiro (PNB). Tais Programas proporcionam um enorme arrasto tecnológico, incentivando a inovação de processos e produtos de aplicação civil e militar.

Estande do IEAPM

O Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM) promoveu a divulgação do primeiro Curso de Pós-graduação Stricto Sensu em Biotecnologia Marinha, do Brasil, desenvolvido naquela Instituição Científica, Tecnológica e de Inovação (ICT) da Marinha, como resultado de uma parceria firmada entre a MB, por meio do IEAPM, e a Universidade Federal Fluminense.

O IEAPM também apresentou o Projeto Mundial de Portos (World Harbour Project), desenvolvido por cerca de 25 países, que tem como objetivo aumentar a biodiversidade e, consequentemente, impedir o estabelecimento  de espécies  exóticas em áreas degradadas como portos e marinas,  através de técnicas de Ecoengenharia.

Pesquisadores que desenvolvem o Projeto de Acústica Submarina, no IEAPM, demonstraram, ainda, num tanque montado na Exposição, o Protótipo de Modem Acústico Submarino, desenvolvido em software, com tecnologia 100% nacional.


O CASNAV demonstrou o funcionamento e as utilidades do SimPass

Já o Centro de Análises e Sistemas Navais (CASNAV) apresentou o Simulador de Passadiço (SimPass): o primeiro simulador de passadiço full mission desenvolvido inteiramente com tecnologia nacional. Este Simulador incorpora alta fidelidade dinâmica na simulação de movimentos de navios, geração de ondas e de todos os estados do mar, gráficos para instrumentos e visualização da cena a partir da janela do navio. O software de controle permite criar cenários em vários locais e para diferentes tipos de operações. Flexível, capaz de uma grande versatilidade e com uma estrutura modular gerando diferentes camadas de imersão, é um Simulador completo, que permite a realização de treinamentos realistas.

O Instituto de Pesquisas da Marinha (IPqM) apresentou o Sistema de  Vigilância e Informações Passivas em Portos (VIPP); o Simulador de Máquinas/Navegação (SIMMAQ/SimNav); e o Sistema CISNE, um equipamento de navegação com cartas náuticas eletrônicas, usado nos navios da Marinha.

O Laboratório Farmacêutico da Marinha (LFM) expôs diversos medicamentos pesquisados e produzidos, inclusive aqueles que atendem à demanda do Sistema Único de Saúde (SUS).

A SIATT apresentou um míssil antinavio de superfície que está sendo desenvolvido para atender à demanda da Marinha

A Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON) expôs o Projeto do Navio Patrulha 500 BR, concebido em parceria com o Centro de Projetos de Navio (CPN) da Marinha, e divulgou a Feira RIDEX, a ser realizada de 27 a 29 de junho de 2018, no Píer Mauá, no Rio de Janeiro (RJ), sob a coordenação da empresa.

No estande da SIATT Engenharia, Indústria e Comércio Ltda, o vistante teve a oportunidade de conhecer o simulador de voo (HILS - Hardware In The Loop Simulation) do MANSUP, e o míssil antinavio de superfície que está sendo desenvolvido para atender à demanda da Marinha. Além desses estandes, a AVIBRAS Indústria Aeroespacial S/A apresentou os mísseis e foguetes antiaéreos produzidos para a Marinha.

A Atech apresentou o Sistema Naval para os Helicópteros da Marinha

A Exposição, montada para a apresentação de projetos, revelou-se como espaço propício ao intercâmbio de conhecimentos e estabelecimento de contatos

A Professora Doutora Ana Sofia, da Universidade Federal do Paraná, que participou do Simpósio e visitou a Exposição, afirmou ter ficado “muito impressionada com o investimento que a Marinha faz na formação e capacitação de recursos humanos disponíveis no País, nas diferentes áreas de Ciência e Tecnologia”. Ela acredita que “o retorno será muito positivo, não somente para a Marinha, mas para o Brasil e para a comunidade científica como um todo”.