Dupla comemoração para náufrago em Aracaju

A data de nascimento é um marco na vida de qualquer pessoa, dentre outras razões, por ser lembrada como momento de gratidão pela dádiva da vida. Assim, em diversas culturas, aniversário é um dia para agradecer e comemorar. Para o velejador italiano Elio Somaschini, entretanto, a comemoração dos seus 69 anos representou mais que isso, foi como a celebração de um renascimento. No tarde do seu aniversário, 06 de março, o barco que viajava naufragou na costa de Aracaju (SE). Única pessoa a bordo do veleiro CRAPUN, de aproximadamente 40 pés, o experiente navegador conseguiu escapar do acidente sem ferimentos, com apoio das equipes do Corpo de Bombeiros Militar e da Capitania dos Portos de Sergipe, que rapidamente chegaram ao local.

Elio realizava uma volta à América, quando decidiu entrar na capital sergipana, com o propósito de jantar para comemorar a data. E, na sequência, dar continuidade à viagem, iniciada em julho de 2017. Porém, teve os planos alterados, após o toque do barco no fundo na barra do Rio Sergipe, com a consequente perda da quilha, que causou um rasgo no casco e a rápida entrada de água, vindo a embarcação a afundar a menos de 100 metros da praia de Atalaia.

À noite, já refeito do susto, o velejador foi surpreendido com a solidariedade do povo sergipano e ganhou bolo de aniversário, com direito a parabéns, em festa organizada pelo Capitão dos Portos de Sergipe, Capitão de Fragata Black, e pelo Comandante do Grupamento Marítimo do Corpo de Bombeiros Militar de Sergipe, Tenente Coronel Hector, junto com suas famílias, na casa deste último. "Decidimos organizar a festa de aniversário para o Sr. Elio, junto com nossas famílias, para dar um pouco de alento nesse momento difícil e de perda do seu maior bem, o seu barco. Navegador experiente, ele morava dentro do seu veleiro e perdeu praticamente tudo que possuía. É como se sua vida estivesse ali. Uma das maiores virtudes dos marinheiros é a solidariedade no mar e não poderíamos nos furtar de proporcionar a ele esse momento", comentou o comandante Black. Integrantes da SOAMAR-SE providenciaram a estadia do velejador em hotel da cidade, sem custos.

Para Elio, que perdeu todos os documentos no acidente, o acolhimento que recebeu em Aracaju foi algo marcante e que certamente irá constar de um segundo livro que está pensando em escrever. "Um número enorme de pessoas tem me ajudado, isso tem me emocionado. Inclusive as autoridades daqui fizeram muito mais do que era esperado delas, pelo simples amor ao mar. Isso toca fundo", pontuou emocionado.