CIAW participa das ações de combate ao mosquito Aedes aegypti no Rio de Janeiro

Desde 29 de janeiro os efetivos das três Forças Armadas iniciaram um mutirão de combate ao Aedes Aegypti, mosquito transmissor de doenças como a dengue, a febre chinkungunya e do vírus Zika. Na primeira etapa, foi realizada a busca de possíveis focos de proliferação do Aedes em torno de 1.200 Organizações Militares espalhadas por todo o território nacional com o objetivo alertar os militares sobre os riscos representados pela reprodução do mosquito e as ações que deveriam implementar em suas residências e bairros a fim de combatê-lo.

 

Em 13 de fevereiro, Dia Nacional de Mobilização para o Combate ao Aedes aegypti (e correspondente à segunda etapa da campanha empreendida pelas Forças Armadas contra este perigoso vetor) foram mobilizados cerca de 220 mil homens militares (160 mil do Exército Brasileiro, 30 mil da Marinha do Brasil e 30 mil da Força Aérea Brasileira) para a distribuição de material impresso com orientações para que a população se informe e se engaje no combate ao mosquito.

Militares do Centro de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW) entregam

folderes explicativos à população a cerca das formas de combate ao mosquito

O CIAW participou com todo seu efetivo de mais esta etapa, atuando nas ruas previamente mapeadas dos bairros do Engenho Novo e Cachambi para realizar o trabalho de conscientização junto à população sobre os riscos e medidas preventivas contra o Aedes e, por conseguinte, às doenças das quais é o agente transmissor.

Primeiro-Tenente (RM2-T) Thaís Dias, Assistente Social do CIAW,

conversa com a moradora sobre as formas de combate aos focos do mosquito

A partir do dia 15, os efetivos retornarão às ruas para iniciar a terceira etapa da campanha, que ocorrerá até 18 de fevereiro, em que os militares — em ação integrada às Secretarias Municipais de Saúde — visitarão as residências para averiguar a existência de possíveis focos de reprodução do Aedes aegypti, bem como orientar seus moradores sobre as medidas de prevenção e combate, além de fazer a aplicação de larvicida quando necessário.

O 3°SG-SI Ronaldo, militar do CIAW, inspeciona pneus estocados

em frente a uma borracharia à procura de focos do Aedes

Em paralelo a esta fase de inspeções, será realizada também, entre os dias 15 e 19 de fevereiro, a quarta e última etapa da operação de combate ao Aedes aegypti pelas Forças Armadas. Nela, militares visitarão escolas da rede pública de ensino e particulares para reforçar junto a junto a crianças e adolescentes o trabalho de conscientização sobre os riscos e os métodos de prevenção contra o referido vetor.