ILHA DAS ENXADAS E SUA HISTÓRIA

Origem (1600) – Identificam-se duas versões para a origem do nome da ilha, a primeira é a que nela teria aportado, com avarias, veleiro espanhol, o qual anunciava a venda de toda a sua carga, constituída de instrumentos agrícolas, para cobrir as despesas com reparos. Os compradores a designaram de Ilha das Enxadas. A segunda e mais acreditada das versões, é a de que seria assim chamada, devido à grande quantidade de peixe-enxada existente ao redor da ilha.

Ilha de Vaz Pinto (1619) – Em 1619, denominava-se “Ilha de Vaz Pinto” devido a uma solicitação dos carmelitas ao governador Ruy Vaz Pinto, para a retirada de pedras que seriam utilizadas na construção de sua igreja e do convento, erguidos na atual Rua Primeiro de Março.

Ilha Particular (1760) – O Aviso de 18 de agosto de 1760, Faculta a José dos Santos Rabelo, edificar uma casa na Ilha das Enxadas, para recolher nela, toda a pólvora das naus, que viessem ao Rio de Janeiro.

Hospital dos Marinheiros Ingleses (1808) – Em 1808, a ilha era propriedade do Capitão Felipe Antonio Barbosa, o qual cedeu a ilha por determinação do Príncipe Regente, para instalação do Hospital dos Marinheiros Ingleses, em virtude da vinda da esquadra que acompanhara a Família Real Portuguesa ao Brasil.

A Ilha é transformada em Lazareto (1817) – Com a vinda para o Rio de Janeiro dos Batalhões de Voluntários Reais do Príncipe, em 1817, o Hospital dos Lázaros de São Cristóvão é transferido para a Ilha das Enxadas, permanecendo sob essa condição até 1823.

1823 – A Ilha das Enxadas retorna à posse de Felipe Antonio Barboza.

1825 – A Ilha das Enxadas é arrendada ao Dr. Antonio Martins Lage até 1832, quando foi adquirida pelo arrendatário. Nessa época a ilha recebeu trapiche de mercadorias, depósito de carvão e oficinas para pequenos reparos navais.

Incorporação ao Ministério da Marinha (1869) – Em 1868 foi iniciado o processo de aquisição da Ilha das Enxadas. A ilha estava hipotecada ao Banco do Brasil, por 1450 contos de réis, sendo então transferida para o Estado em nove de outubro de 1869, quando o Imperador D. Pedro II promulgou a Lei nº. 1.735 que autorizava o Ministério da Marinha a adquirir a ilha pela importância citada.

Arsenal de Marinha (1871-1883) – De 1871 a 1883, serviu a Ilha das Enxadas como dependência do Arsenal de Marinha, sendo seus armazéns ocupados, principalmente, como depósitos de material de construção naval.


Vista parcial da Ilha das Enxadas onde funcionou a Escola Naval no período de 1881 a 1914 e de 1921 a 1938.

Escola de Marinha (1883-1887) – Em 18 de março de 1883, instalou-se a Escola de Marinha. A ilha sofreu uma grande remodelação, como por exemplo, a construção de banheiro para o ensino de natação, o Prédio Colonial e a Iluminação a gás.

Criação da Escola Naval (1886-1914) – Em 1886, ocorreu a fusão da Escola Naval de Marinha com o Colégio Naval, passando a denominar-se Escola Naval. Surgiram algumas construções no período em que a ilha pertencia a Escola Naval, como exemplo a casa destinada ao Diretor da Escola (1900), hoje o local é o prédio dos cursos de Formação; em 1905, já existia o atual edifício da Administração (Edifício 05), destinado aos Oficiais e Aspirantes e à instrução; conta, também, que o atual Alojamento de Cabos e Marinheiros (Edifício 07) destinava-se ao alojamento da guarnição e taifa; no mesmo na já figuravam em plantas, a carreira, o cais da Ponte Sul e do CFOF.

1888 - Cruzador Barroso, tendo ao fundo a Ilha das Enxadas então Escola Naval.

 

1888 - Foto tirada do mastro do Cruzador Barroso, tendo ao fundo a Ilha das Enxadas então Escola Naval.

 

1888 - Cruzador Barroso desfraldando velas.

 

1888 - Turma de 2° ano do antigo curso preparatório da Escola Naval sob o Comando do Alte Graduado Eliziário José Barobosa.

 

1890 - Exercício de Infantaria com o instrutor Perdigão.

 

1901 - Festa comemorativa de onze de junho.

 


1912 - Escola Naval com o seu corpo de alunos.

Escola de Grumetes e Profissionais (1914-1920) – Em junho de 1914, a Escola Naval foi transferida para Enseada de Tapera (Angra dos Reis), passando a funcionar na ilha, as Escolas de Grumetes e Profissionais.

 

1916 - Primeiro avião que a Aviação Naval possuiu - "C1".

 


1917 - O fotografo J. Kfuri com o piloto Buini.

Escola de Aviação Naval (1916-1924) – O decreto nº. 12.167, de 23 de agosto de 1916, cria na Ilha das Enxadas, a Escola de Aviação Naval, tendo sido construído dois hangares e uma rampa para adequar a nova escola. Em 1922, no centenário da Independência do Brasil, os aviadores navais portugueses Artur de Sacadura Cabral Junior e Carlos Viegas Coutinho, que realizaram a primeira travessia aérea do Atlântico Sul, pousaram com hidroaviões nas proximidades da Ilha das Enxadas, fato ocorrido em 17 de junho daquele ano.

 

1920 - Os Aviões "MACCHI-9" da Escola de Aviação Naval.

 


1920 - Visita do Presidente da República Wenceslau Braz a Escola de Aviação Naval, em companhia de sua Exa. Ministro da Marinha Alexandrino de Alencar e do Comte Aristides Guilhem e seus ajudantes de Ordens.

Escola Naval (1921-1938) – Em 1921 volta a Escola Naval para a ilha quando foram executadas as obras que atingiram a importância de 230 contos de reis, destinadas a prepará-la para os festejos do Centenário de Nossa Independência Política. As obras, entre outras, incluíram a construção de uma carreira para embarcações, melhoramentos nas arquibancadas para a piscina e um conjunto de fire-control. No ano seguinte, o suprimento de energia elétrica passou a ser realizado pela Light and Power.

 

1921 - Em roupa de esporte da esquerda / direita os aspirantes: João Lago Diniz Junqueira, Levy Araújo Paiva Meira, Mário Costa Furtado de Mendonça, Raymundo da Costa Figueira, Alvaro Pereira do Cabo e fardado o aspirante do 4° ano Thedim Costa.

 

1922 - Time de futebol vice-capeão acadêmico do ano. De pé: Mário Pinto de Oliveira, Alvaro Rorys Ford, Ford, Luiz de Brito Albernaz, Alvaro Pereira do Cabo e Jorge C. M. de Abreu. Ajoelhados - Atila Soares, Mario de Freitas Alves, João de L. Diniz Junqueira, Paulo M. Meira, Fernando de Almeida Rodrigues e Levi A. de Paiva Meira.

 


 


1923 - Um grupo de alunos da esquerda p/ a direita: Aroldo Zany, Ruy G. Pereira de Mello, Djalma Garnier de Albuquerque, Augusto Hamann Redemaker Grunewald e Silvio Heck.

Escola de Educação Física (1925-1945) – È criada e instalada na ilha, em 1925 a Escola de Educação Física, a qual dividiu espaço com a Escola Naval, até o ano 1938, quando esta foi transferida para a Ilha de Villegagnon.

Corpo de Marinheiros (1939-1944) – Após algum período desocupada, a ilha começou a sofrer transformações em seus prédios. Então, no ano de 1939, criou-se o Corpo de Marinheiros, mais tarde denominado Quartel Central de Marinheiros, que seria transferido da ilha em 1944.

Centro de Instrução Rio de Janeiro (1944) – O Aviso de nº 1.255, de 1944, denominou o Centro de Instrução do Rio de Janeiro, como sendo conjunto de estabelecimentos então existentes na Ilha das Enxadas, estabelecendo ainda, que ele seria constituído pelas Escolas Almirante Wandenkolk e Almirante Tamandaré, pelo Departamento de Educação Física e pela Escola de Tática Anti-Submarino.

Criação do CIAW(1945) – Em 1945, o Boletim nº. 45 do Ministério da Marinha, publicou um esboço de organização para os Centros de Instrução, que foi ratificado pelo Decreto-Lei nº 8.389, de 17 de dezembro de 1945, aprovado o funcionamento de dois Centros de Instrução: Almirante Wandenkolk na Ilha das Enxadas e Almirante Tamandaré em Natal – RN. Comemora-se então, no dia 17 de dezembro o aniversário do CIAW. O Ciaw, recebeu esse nome em homenagem ao Almirante Eduardo Wandenkolk, primeiro ministro da marinha no regime republicano e um dos pioneiros da estruturação de ensino especializado na Marinha. Após a criação do CIAW, várias obras foram realizadas, por exemplo: a construção do ginásio Almirante Cox (1947), a piscina (1947), a construção da Ponte Sul (1961) e a capela (1967).

 


1947 - Pátio da Escola - Canhão de 120 mm.

 

Aqui se Formam Profissionais do Mar – Atualmente, o CIAW possui área com cerca 50.000m², divididos entre edificações, áreas de esportes e muita fauna e flora. O ensino é ministrado para os cursos de formação, serviço militar inicial, curso de especialização e aperfeiçoamento, para oficiais de diversos Corpos e Quadros da Marinha.

Dados Biográficos – O Almirante Eduardo Wandenkolk, primeiro Ministro da Marinha após o advento da República, foi um dos pioneiros na estruturação do ensino especializado da Marinha, Nasceu Wandenkolk no Rio de Janeiro, em 29 de Junho de 1838, tendo a 28 de fevereiro de 1853, sentado à Praça de Aspirante na Academia da Marinha. Foi oficial de navio. Comandante de Divisão de Esquadra. Chefe do Estado-Maior da Armada e Ministro (Interino) das Pastas da Guerra e do Exterior. Fez quase toda a Campanha do Paraguai, como antes já fizera a do Uruguai.

Emitiu diretrizes, que se constituíram em base da organização atual dos cursos de especialização e de aperfeiçoamento técnico-profissional do pessoal da Marinha. Nessas diretrizes já mostrava grande visão no preparo do profissional do mar: “buscar o perfeito equilíbrio entre as necessidades de uma sólida formação militar-naval e as de uma continuada e persistente busca do aprimoramento da plena capacidade profissional”.

É patrono do estabelecimento que tem o seu nome, Centro de Instrução Almirante Wandenkolk, cujo lema é: AQUI SE FORMAM OS PROFISSIONAIS DO MAR.

 

2013 - Ilha das Enxadas - Centro de Instrução Almirante Wandenkolk.