BATALHÃO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS DE FUZILEIROS NAVAIS

HISTÓRICO

O Batalhão de Operações Especiais de Fuzileiros Navais (BtlOpEspFuzNav), foi criado no dia 09 de setembro de 1971 pelo Aviso Ministerial nº 0751, quando o antigo Centro de Recrutas do Corpo de Fuzileiros Navais, que nesta área funcionava, efetivou sua mudança para a Ilha da Marambaia, concluída em 07 de março de 1972, o Batalhão passou a ocupar as instalações remanescentes daquele Centro, o que, na oportunidade, representava o Prédio de Comando de hoje e algumas edificações ainda existentes na OM à esquerda do rio Guandu do Sapê.

Em 1974 é construída a torre de saltos e são iniciadas as construções, hoje existentes do lado direito do citado córrego, as quais foram incorporadas ao Batalhão a partir de 1976 até 1978.

No início de sua criação, o Batalhão fora organizado de acordo com a conjuntura da época, mesclado o interesse do CFN em ter uma Unidade voltada para o emprego em situação de guerra de guerrilha e a idéia de se ter um 4º Batalhão de Infantaria. Disso resultou que o Batalhão de Operações Especiais de então contasse com uma Companhia de Comando e Serviços, até hoje existente, e uma Companhia de Operações Especiais, esta organizada à semelhança de uma Companhia de Fuzileiros Navais. A partir de sua criação, o Batalhão TONELERO começa a incrementar atividades de instrução voltadas para Operações Especiais. Nesse contexto, em 1972 seria formada a primeira turma de Oficiais oriundos da Escola Naval no Curso de Contra-guerrilha (ConGue). Ao longo dos anos, esse curso sofreu modificações em seu conteúdo e estrutura, passando a denominar-se Curso de Adestramento de Comandos Anfíbios, Curso Especial de Comandos Anfíbios (ComAnf) e, posteriormente, dividindo-se em Curso Especial de Comandos Anfíbios (CEsComAnf) e Curso Especial de Operações Especiais (CEsOpEsp). A partir de 1998, a preparação dos Comando Anfíbios passou a ser ministrada em um único curso, o CEsComAnf.

Em 01/01/1991 a Companhia de Reconhecimento Anfíbio (CiaReconAnf), pertence à Tropa de Reforço, foi transferida para o Batalhão. Em 26 de março de 1996, a Companhia de Reconhecimento Terrestre (CiaReconTer), foi transferida da Divisão Anfíbia para o Batalhão Tonelero, reunindo-se no BtlOpEspFuzNav, todas as atividades de operações especiais de fuzileiros navais. Com o vulto e importância dessas novas e tão complexas atribuições, o Batalhão Tonelero, até então pertencente à Tropa de Reforço, passou a partir de 20 de dezembro de 1995, à subordinação direta do Comando da Força de Fuzileiros da Esquadra.

Hoje, o BtlOpEspFuzNav está organizado em uma Companhia de Comando e Serviços e três Companhias de Operações Especiais. Tal estrutura permite a organização por tarefas de grupamentos operativos e destacamentos para cumprir qualquer missão de interesse da Marinha, dentro do contexto de operações especiais, inclusive aquelas relacionadas com retomada de instalações e resgate de pessoal de interesse da Marinha.

 

HERÁLDICA

DESCRIÇÃO:

Num escudo boleado e encimado pela coroa naval, campo verde com bastilhado de prata, acostado à linha do chefe, e tendo no mesmo gávea ameada, também de prata; cortado, em faixa, de vermelho, com dois fuzis de ouro, passados em aspa, com âncora superposta, em pala, e de idêntico metal.

EXPLICAÇÃO:

No campo de verde, a lembrar as campinas do sul, cenário da memorável campanha contra Rosas e Oribe, o bastilhado de prata, alude às fortificações da barranca de Acevedo, levadas de vencida pelas forças do Chefe Grenfell, memorado este pela gávea ameada, de prata, atributo e metal constantes do brasão do grande marinheiro.

No cortado de vermelho, esmalte representativo da bravura e intrepidez dos Fuzileiros Navais do Brasil, os fuzis e a âncora de ouro, constituem seu próprio distintivo, aludindo ao Batalhão em apreço, cujo nome provém da gloriosa Passagem.

(Bol. Nº 12, de 25-3-1977 – 713)

 

MISSÃO

Realizar ações de comandos, reconhecimento de praia da linha de baixomar para o interior, reconhecimento especializado de itinerários, passagens a vau, pontes, túneis, obstáculos, pontos críticos, Local de Desembarque Ribeirinho (LocDbqRib), Ponto de Desembarque Ribeirinho (PdbqRib), Local de Pouso de Helicópteros (LPH) e instalações, operar Postos de Vigilância (Pvig), realizar a observação dos fogos das armas de apoio quando solicitado, implantar e operar sensores para instalação de sistemas de vigilância terrestre quando disponíveis, instalar e manter equipamentos de alarme de guerra NQDB quando disponíveis; selecionar, reconhecer, balizar e operar Zonas de Desembarque (ZDbq) e Zonas de Lançamento (ZL) e guiar a tropa por itinerários previamente reconhecidos, em proveito de uma Operação Ribeirinha (OpRib) a fim de contribuir para o preparo e aplicação do Poder Naval.