PROANTAR adequa ações para a nova OPERANTAR durante período de pandemia da COVID-19

Um único continente permanece intocado pela COVID-19 (SARS-CoV-2): a Antártica.


Um único continente permanece intocado pela COVID-19 (SARS-CoV-2): a Antártica. E todos os programas antárticos nacionais e as agências que operam naquele inóspito local estão mobilizados para manter a região livre da pandemia.
O colegiado da Subcomissão do PROANTAR, comprometido em evitar a introdução do novo coronavírus naquela região, e levando em conta os protocolos elaborados pela Marinha do Brasil, baseados rigorosamente nos protocolos do Ministério da Saúde, e pelo Conselho de Gerente de Programas Antárticos Nacionais (COMNAP) para todos aqueles que desenvolvem atividades na região austral, resolveu restringir suas operações na temporada 2020/2021.

A fim de não comprometer a saúde e a segurança de seus expedicionários, prevenir a disseminação inter e intracontinental do vírus, e evitar o risco de afetar a fauna antártica, foram restringidas as atividades na região austral apenas àquelas consideradas essenciais, tais como o ressuprimento da Estação Antártica Comandante Ferraz, a troca do Grupo-Base da Estação e os serviços de manutenção dos equipamentos essenciais - inclusive os científicos.

Imagem: Peter Ilicciev

As pesquisas de campo do PROANTAR, previstas para o verão de 2020/202, foram suspensas devido à pandemia, por decisão unânime da comunidade científica brasileira que desenvolve atividades na Antártica - representada pelos vinte Coordenadores de Projetos relacionados à Chamada CNPq/MCTI/CAPES/FNDCT Nº 21/2018 e pelos laboratórios do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia da Criosfera (INCT da Criosfera). No entanto, cabe ressaltar que as pesquisas antárticas laboratoriais continuarão, através da análise de dados obtidos por satélites, modelos, reuniões científicas online e processamento das amostras já coletadas em expedições anteriores.

É preciso ressaltar que os impactos de eventos médicos em regiões polares são significativos: há poucos médicos e com recursos limitados para o tratamento de casos graves. Até mesmo quem nunca esteve naquela região pode imaginar como é difícil realizar uma evacuação médica na Antártica - e, devido às condições climáticas ou à indisponibilidade de meios, pode ser até mesmo impossível. As ações de busca e salvamento (SAR, na sigla em inglês) podem ser fortemente impactadas, não permitindo que os responsáveis consigam garantir ações efetivas em caso de acidentes e incidentes na região austral.

Dessa forma, o PROANTAR está analisando, constantemente, a situação da pandemia e irá ajustar as ações a serem adotadas quando necessárias, inclusive preparando-se para possíveis interrupções nas operações, sempre de acordo com as normas sanitárias nacionais e internacionais a fim de evitar contágio e disseminação do novo coronavírus a bordo de navios e aeronaves de transporte com destino ao Continente Branco.
Atualmente, a premissa de planejamento considera que a COVID-19 ainda será uma das principais questões globais tanto no início quanto durante toda a temporada de verão 2020/2021 da Antártica.