A gestação é um momento único na vida de uma mulher e de toda a família. Os meses até a chegada do bebê, as modificações corporais e outras possíveis mudanças marcam a vida daqueles que experimentam esse momento. Entretanto, juntamente com a alegria da chegada de um novo ser, muitas dúvidas surgem com relação ao cuidado com o próprio corpo e ao bebê, seus direitos etc.

A Cartilha da Gestante surge para ajudar você, que utiliza o Saúde Naval, para divulgar e informar questões pertinentes ao período gravídico-puerperal e esclarecer algumas dessas dúvidas.

Esta Cartilha não substitui as consultas de Pré-Natal. Caso tenha algum questionamento, anote e converse com o profissional médico obstetra durante a consulta.


Manter-se informada é a melhor maneira de garantir sua saúde e a do bebê!



Receita para uma Gravidez saudável

Durante a gestação procure ter uma alimentação saudável e diversificada, rica em vitaminas, proteínas, carboidratos integrais, ferro e cálcio. Isso é importante para seu bem-estar e para a formação e crescimento adequado do bebê.

Proteínas

Devido ao processo de construção de novas células do bebê e no próprio corpo da gestante para abrigá-lo, há um aumento das necessidades diárias de proteínas, pois são nutrientes construtores e importantes para inúmeros processos no corpo.

Temos como fonte de proteínas as de origem animal (carnes, aves, peixes, ovos, leite, queijo e iogurte) e as de origem vegetal (cereais integrais, feijão, lentilha, ervilha, grão de bico).

Ícone de um prato de refeição

Ácido Fólico

Vitamina importante para redução do risco de malformações do sistema nervoso central do feto e outros efeitos congênitos. É encontrado em vegetais folhosos verdes, cenoura, gema de ovo, trigo integral e farinhas integrais.

Cálcio

Durante a gestação, a ingestão de Cálcio nas recomendações adequadas é essencial para a formação do feto e manutenção do bom funcionamento do organismo materno. Quando o consumo pela mãe é insuficiente, o feto passa a resgatar as reservas de Cálcio da mãe (dos ossos e demais depósitos), podendo ocasionar queda de cabelo, unhas fracas e, a longo prazo, poderá desencadear o enfraquecimento dos dentes e dos ossos (osteoporose).

São boas fontes de Cálcio o leite, queijo, iogurte, alimentos fortificados com Cálcio, salmão, espinafre, almeirão, couve e tofu.

Vitamina D

Como a Vitamina D auxilia na absorção do Cálcio, tal como se apresenta uma demanda maior de Cálcio na gestação, recomenda-se conjuntamente o aumento de Vitamina D. Sua falta pode provocar atraso no crescimento e deformações ósseas. Encontramos Vitamina D no fígado, em peixes, ovos, manteiga, entre outros.

Ferro

O Ferro é parte da hemoglobina, que é um constituinte importante das células sanguíneas, sendo responsável pelo transporte do oxigênio para todas as células do organismo da mãe e do feto. A anemia ocorre muitas vezes na gravidez, ocasionando sintomas como indisposição, fraqueza e tonturas.

Boas fontes de Ferro são: carnes vermelhas, aves, peixes, vísceras (como fígado), feijão, lentilha, grão-de-bico, soja, folhas verde-escuras (couve, espinafre, brócolis), grãos integrais, castanhas e outros.

Água

Deve-se ingerir pelo menos seis a oito copos de água (em torno de dois litros) ao dia. A água ajuda a manter o bom funcionamento do intestino, reduz risco de infecções urinárias e, posteriormente ao nascimento da criança, conforme maior for a ingestão de líquidos, maior será a produção materna de leite. Dê preferência à água, aos sucos naturais e à água de coco pois esses últimos, além de hidratarem, fornecem vitaminas e minerais.

10 passos para que a sua alimentação seja mais saudável

­

  1. Faça pelo menos três refeições (café da manhã, almoço e jantar) e dois lanches saudáveis por dia, evitando ficar mais de três horas sem comer. Entre as refeições, beba muita água. Evite comer doce como sobremesa;
  2. Dê preferência aos alimentos em sua forma mais natural. Os industrializados contêm altas concentrações de substâncias nocivas, como o sódio (que retém líquido);
  3. Faça ingestão de leguminosas (feijões, lentilha, grãos de bico, ervilhas, etc), pelo menos duas vezes ao dia. Arroz com feijão faz bem à saúde e é uma combinação equilibrada de nutrientes;
  4. É importante incluir na alimentação leite e derivados e uma porção de carne, peixes ou ovos. Retire a pele e a gordura da carne antes da preparação, tornando este alimento mais saudável;
  5. Diminua o consumo de gorduras; consuma, no máximo, uma colher (de sopa) de óleos vegetais ou azeite ou ½ colher (de sopa) de manteiga ou margarina por dia;
  6. Coma todos os dias legumes, verduras e frutas, além de cereais integrais para garantir um bom aporte de fibras e para manter um trânsito intestinal adequado. É comum a gestante sofrer constipação intestinal durante a gestação;
  7. Evite refrigerantes e sucos industrializados, chocolates, doces, biscoitos recheados e outras guloseimas no seu dia a dia. Use preferencialmente açúcar mascavo e mel. Retire o açucareiro da mesa!;
  8. Diminua a quantidade de sal da comida e retire o saleiro da mesa. Evitar o excesso de sal e alimentos salgados contribui para não ter aumento da pressão arterial e retenção hídrica, especialmente se a mãe já era hipertensa antes da gravidez. Use temperos naturais à vontade como alho, cebola, tomate, salsa, coentro e outros temperos verdes;
  9. Para evitar anemia, consuma diariamente alimentos ricos em Ferro. Consuma, junto com esses alimentos, fontes de Vitamina C, como acerola, goiaba, laranja, caju, limão e outras, para assegurar a absorção do ferro; e
  10. Evite alimentos e bebidas com cafeína (café, chocolate, guaraná natural, mate, chás preto, vermelho, branco, verde, e refrigerantes tipo coca) que, além de impedir a absorção do ferro, interferem no sono e aumentam a azia. Além disso, diminui a produção do leite.

Ícone de um casal

Dicas Importantes:

  • Consulte a Nutricionista para avaliação do peso corporal e ganho de peso adequado no período da gestação;
  • Mastigue bem os alimentos e evite deitar-se logo após as refeições;
  • Para aumentar a ingestão hídrica sem enjoar e nem “sofrer”, faça sucos, refrescos, chás calmantes como erva cidreira, camomila e maçã, coloque na geladeira e beba a cada uma hora, um copo de um líquido diferente;
  • Saborizar a água colocando rodelas de limão, laranja, cascas de abacaxi bem lavadas, hortelã, assim não enjoará de beber água;
  • É recomendável tomar um pouco de sol durante o início da manhã ou o final da tarde, inclusive nos mamilos (para fortalecer sua pele e prepará-los para a amamentação). Lembre-se de usar chapéu ou boné e protetor solar no rosto, para evitar manchas na pele;
  • Evite descolorantes, tinturas de cabelo, alisantes e onduladores que contêm amônia e outros componentes que podem fazer mal ao bebê;
  • Você deve sair de ambientes onde haja fumantes, em qualquer fase da gravidez. Respirar a fumaça com frequência pode afetar o desenvolvimento do bebê;
  • O consumo de álcool durante a gestação é proibido, pois influencia diretamente na formação do bebê; e
  • Previna-se contra as enfermidades transmitidas pelo Aedes aegypti: dengue, chikungunya e zika, conforme indicado nas campanhas sanitárias.

Tabus Alimentares

Toda mãe tem leite

Às vezes é necessário ter paciência e insistir na amamentação, porque quanto mais cedo o bebê mamar, mais rápida será a produção de leite.

Não existe leite fraco

O leite materno é mais facilmente digerido do que o leite de vaca, por isso o bebê sente fome mais depressa do que os que tomam mamadeira. O choro do seu bebê pode ter vários motivos. Não culpe o seu leite, achando que seu filho está com fome por causa dele.

A gestante não deve comer por dois

A gestante não deve ganhar peso excessivo durante a gravidez, pois poderá prejudicar na hora do parto.

Sono

  • Procure dormir 8 horas por noite;
  • Repouse alguns minutos durante o dia;
  • Eleve as pernas quando estiver sentada ou deitada;
  • Caso tenha muito sono, procure repousar mais; e
  • Deite-se, preferencialmente, do lado esquerdo, com um travesseiro entre as pernas. Esta posição facilita a passagem de oxigênio para o bebê.

Ilustração de um travesseiro

Exercícios

  • Procure fazer atividades físicas leves e prazerosas, e de acordo com a recomendação médica;
  • Caminhadas ajudam a melhorar a circulação do sangue, aumentam a disposição e a sensação de bem-estar. Se não houver contraindicação, deve ser mantida do início ao fim da gravidez; e
  • Exercite a respiração: respire lenta e profundamente, várias vezes ao dia. Isso pode ajudar em momentos de desconforto e inquietude.

Sexo na Gestação

O desejo e disposição sexual podem mudar na gravidez. Há mulheres que têm menos vontade e outras que têm mais vontade do que antes. Isso pode acontecer para o homem também. Ter relações sexuais não machuca o bebê, é saudável e pode dar muito prazer.

O que realmente importa é que seja respeitada sua vontade de ter relação ou não. Converse com seu parceiro sobre isso. Evite posição que cause desconforto. Durante o orgasmo é comum a barriga ficar dura, não se preocupe. Se sentir desejo, relações sexuais até o momento do parto podem facilitar o nascimento do bebê.

Tendo em vista as recentes descobertas de que o vírus da zika é transmitido, também, pelas relações sexuais, use preservativo.

Atenção: Se notar presença de sangramento ou saída de líquido diferente, evite a atividade sexual e procure uma Unidade de Saúde.

Conheça seus Direitos

Direitos das Gestantes trabalhadores:

  • A Licença Maternidade de 180 dias, sem prejuízo do emprego e do salário (Constituição Federal de 1988, art. 7, inciso XVIII) para gestantes com carteira de trabalho assinada;
    • A concessão da Licença Maternidade está garantida a partir de 36 semanas de gravidez (CLT, art.392);
    • Em caso de parto antecipado, a mulher terá direito à Licença Maternidade (CLT, art. 392); e
    • Poderão ser concedidos períodos de repouso antes e depois do parto, conforme atestado médico, de mais de 02 (duas) semanas cada um (CLT, art. 392).
  • Salário-maternidade é o salário que recebe durante sua Licença Maternidade;
  • Estabilidade provisória, ou seja, não pode ser demitida no período a contar da confirmação da gravidez até cinco meses após o parto (Constituição Federal, art. 10);
  • Licença de 02 (duas) semanas, conforme atestado médico, em caso de abortamento não criminoso, ficando assegurado o direito de retorno à função que ocupava antes do seu afastamento (CLT, art. 395);
  • Mudança de função no local de trabalho quando houver algum problema de saúde que coloque em risco o desenvolvimento saudável da gravidez. É necessário atestado médico (CLT, art. 392);
  • Dois descansos especiais de meia hora cada um para amamentar o próprio filho, durante a jornada de trabalho, até que este complete os 06 (seis) meses de idade. Este período pode ser aumentado, a critério da “autoridade competente”, quando a saúde do filho exigir cuidado (CLT, art. 389); e
  • Receber declaração de comparecimento sempre que for às consultas de pré-natal ou fizer algum exame. Apresentando esta declaração à sua chefia, você terá a falta justificada no trabalho.

Direitos das Gestantes estudantes:

  • Receber o conteúdo das matérias escolares em casa a partir do oitavo mês da gestação e durante 03 (três) meses após o parto (Lei 6202/1979).
    • Conforme indicação médica, o conteúdo das matérias poderá ser recebido em casa do oitavo mês e por mais do que os 03 (três) meses posteriores ao parto; e
    • A prestação dos exames é garantida por “regime de exercícios domiciliares” (gestante/mãe não precisa fazer provas na escola, podendo seu aproveitamento ser aferido mediante trabalhos feitos em casa).

Direitos Sociais:

  • Guichês e caixas especiais ou prioridade nas filas de atendimento em instituições públicas e privadas (bancos, supermercados, lojas); e
  • Assento prioritário para gestantes e mulheres com bebê no colo em ônibus e metrô. Peça licença e ocupe o lugar que é seu. Não viaje em pé! No ônibus você pode sair pela porta da frente!

Direito a acompanhante:

  • A Lei Federal nº 11.108/05, que garante às parturientes o direito a acompanhante durante todo o período de trabalho de parto, no parto e no pós-parto, no SUS. Este acompanhante é escolhido por você, podendo ser homem ou mulher.

Violências na Gravidez:

  • Se você sofrer qualquer tipo de violência física, sexual ou psicológica por parte de pessoas próoximas ou desconhecidas e desejar ajuda do Serviço de Saúde, converse com o profissional que a está atendendo.
    Procure orientações para defender seus direitos e não permitir que aconteça novamente. Ligue 180 ou Disque Saúde – 136, de forma gratuita, e denuncie.

Direitos do pai trabalhador:

  • É garantido por lei a Licença Paternidade de 05 (cinco) dias, a contar do dia do nascimento do bebê (Constituição Federal, art. 1. Disposições transitórias).

Ícone de um martelo utilizado por juízes

Certidão de Nascimento

A Certidão de Nascimento é um direito de todo cidadão brasileiro, por isso, o documento é emitido gratuitamente nos cartórios.

Os hospitais e maternidades fornecem, assim que o bebê nasce, uma via (amarela) da Declaração de Nascido Vivo, que deve ser levada a um Cartório de Registro Civil, preferencialmente que seja próximo ao local de nascimento, com outros documentos comprobatórios. Procure informações com antecedência para evitar transtornos de última hora.

A apresentação da Certidão de Nascimento do bebê, no momento da alta, é obrigatória. Porém, casos excepcionais serão tratados de maneira especial.

Como tirar a Certidão de Nascimento

  • Os pais ou responsáveis devem ir ao Cartório mais próximo, levando os próprios documentos e a Declaração de Nascido Vivo (DNV) entregue pelo hospital. Conferir os dados tão logo seja entregue, ainda no hospital;
  • O Cartório de Registro Civil da comarca do HNMD é o 10º Cartório de Circunscrição Civil, situado à Rua Carolina Méier 31, próximo ao Hospital Salgado Filho. Telefones: 2281-7305 / 2241-7460 / 2281-2270;
  • Se o pai não puder ir registrar o filho, a mãe pode providenciar a Certidão de Nascimento sozinha, levando a Certidão de Casamento ou uma declaração do pai com firma reconhecida em cartório;
  • Se a mãe não tiver esta declaração do pai ou se o pai for desconhecido, ela poderá tirar a Certidão de Nascimento apenas em seu nome. Depois o pai deverá comparecer ao Cartório para registrar a paternidade, espontaneamente ou em cumprimento de determinação judicial;
  • Se os pais não tiverem o próprio Registro Civil de Nascimento, primeiro devem providenciá-los para depois registrar a criança;
  • Se a criança nascer fora do hospital e não tiver a DNV, será preciso procurar o cartório com duas testemunhas que confirmem a gestação e o parto;
  • Se os pais forem menores de 18 anos e não forem emancipados, os avós ou responsáveis também deverão comparecer ao cartório; e
  • Se a mãe for indígena, apresentar também o RANI a fim de orientar o cartório a realizar corretamente o registro da criança.

Exames Laboratoriais

­

  1. Tipagem Sanguínea para comparar o grupo sanguíneo da mãe com o do recém-nascido;
  2. Dosagem de Glicemia – Glicemia Pós-Prandial;
  3. VDRL para pesquisar a existência de sífilis;
  4. Anti-HIV para pesquisa de AIDS;
  5. Sorologias Maternas (IgG e IgM) para verificação de rubéola, toxoplasmose, citomegalovirus e herpes vírus;
  6. Sorologias para Hepatites; e
  7. Urina

A cada trimestre é realizada uma bateria de exames próprios para a idade gestacional, que devem ser cumpridos rigorosamente.

Sinais de Alerta

Procure o Saúde Naval se tiver:

Contrações

  • Dores fortes na barriga, que fica "dura igual pedra";
  • Devem ter frequência de 5 em 5 minutos e duração de, pelo menos, 30 segundos.

Sangramento

  • Qualquer sangramento, mesmo sem dor mas, principalmente, se houver perda de sangue escuro com coágulos junto com dor forte na barriga ou perda de grande quantidade de sangue vermelho-vivo.

Perda de líquido

  • Perda de grande quantidade de líquido esbranquiçado pela vagina (escorrendo pelas pernas).

O bebê não mexe há mais de 12 horas

Sintomas como

  • Dor/Pressão na nuca, dor no estômago e visão de pontinhos brilhantes, pois podem ser sintomas de pressão alta;
  • Apresentar muito inchaço nos pés, nas pernas e no rosto, principalmente ao acordar; e
  • Tiver dor ou ardor ao urinar.

Em caso de dúvidas, procure orientação no Centro Obstétrico do HNMD pelo telefone (21) 2599-5599 (Ramais 5248/5496).

Sinal de alerta

Sinais do Trabalho de Parto efetivo

  • Quando houver perda de líquido amniótico (romper a bolsa d'água), preste atenção na cor e no cheiro do líquido e anote o horário em que isso ocorreu. Esta é uma informação importante para orientar os profissionais que vão atendê-la; ou
  • Quando as contrações estiverem presentes, ocorrendo duas contrações em 10 minutos.

Sugestões práticas para a Maternidade

  1. Não esquecer os documentos e exames;
  2. Objetos de higiene pessoa, de preferência sem perfume;
  3. Camisola não transparente, chinelos de borracha, calcinha até a cintura, sutiã para gestante;
  4. Malinha com materiais para o bebê;
  5. Um pacote de absorventes pós-parto;
  6. Cartão telefônico (ou seu celular); e
  7. Não trazer objetos de valor, chupetas, chucas e/ou mamadeiras, bombas tira-leite ou cinteiros para o umbigo do bebê.

Dicas para a Malinha de materiais para o bebê

  • 4 conjuntos de pagão ou macacões;
  • 2 pares de meias;
  • 1 touca;
  • 2 cueiros;
  • 1 manta;
  • 1 toalha;
  • 2 toalhas de pano de fraldas;
  • 2 pacotes de fraldas descartáveis P;
  • Lenços umedecidos; e
  • Sabonete neutro líquido.



Ilustração de macacão de bebê

Kit do Bebê no Centro Obstétrico

  • 1 cueiro;
  • 2 fraldas descartáveis;
  • 1 touca;
  • 1 par de meias;
  • 1 par de luvinhas; e
  • 1 conjunto pagão ou macacão.





Este kit será usado pelo bebê ao sair do Centro Obstétrico logo após o nascimento.

O bebê chegou! 👶

Uma nova vida se inicia repleta de surpresas, novos conhecimentos e novas responsabilidades, tanto para pais de primeira viagem, quanto para os já experientes.

Cada bebezinho que nasce altera o ritmo da família toda! E então, o que fazer? Informar-se é o passo inicial. Um detalhe mínimo pode ser precioso para os cuidados com a mamãe e o bebê. E se você não tem a menor noção por onde começar, preste atenção nas dicas a seguir.

Cuidados com a mãe

Descanso

Depois que chegar a casa, procure descansar sempre que seu bebê estiver dormindo. Nos primeiros dias de vida as crianças trocam o dia pela noite; portanto, aproveite para dormir mesmo durante o dia. Deixe que o pai/companheiro, os avós, as tias e outras pessoas próximas ajudem no cuidado com o bebê e nas atividades domésticas.

Alimentação

É importante uma alimentação saudável e variada, além de beber muita água, para favorecer sua recuperação e a amamentação. Alimente-se 5 ou 6 vezes por dia, moderadamente. Evite alimentos gordurosos, café, chá preto, refrigerantes, chocolate e produtos com corantes e adoçantes, e comidas muito temperadas. Observe se algum alimento provocou cólicas no bebê. Evite bebidas alcoólicas, cigarro e outras drogas. Dessa forma você protegerá você e seu bebê.

Cólicas

É normal a ocorrência de cólicas após o parto e, principalmente, durante a amamentação, pois o útero está voltando ao tamanho normal. Caso não consiga suportar a dor, peça um analgésico e você ficará melhor.

Higiene

É importante manter uma higiene adequada para que você e o bebê não peguem nenhuma infecção.

  • Tome um banho diário com água e sabonete;
  • Troque o absorvente pós-parto com frequência, no máximo a cada 4 horas. Ao colocar o absorvente, não deixe que ele chegue à altura da cicatriz da cirurgia, em caso de parto cesariano;
  • A limpeza do mamilo (bico do seio) deve ser somente com água, durante o banho. Não há necessidade de limpar antes ou depois da mamada. Passe seu próprio leite no mamilo;
  • Separe uma toalhinha só para secar os seios após o banho, lavando-a diariamente;
  • Não coloque panos ou fraldas no bico do seio, se tiver que usar algo para aparar o leite, use as conchas. Atente para desprezar o leite vazado;
  • Use sutiã de algodão de amamentar, com alças largas, trocando-o diariamente;
  • Tome banho de sol nos seios, no início da manhã, por 10 minutos, com os mamilos lambuzados com seu próprio leite; e
  • Não use produtos químicos, como pomadas, nos mamilos, pois podem provocar rachaduras.

Parto Normal

Enquanto estiver internada, durante o banho faça higiene com clorexidine no local dos pontos (quando houver), enxaguando com água abundante em seguida. No restante do dia, faça a higiene com água e clorexidine sempre que urinar e evacuar, secando bem. Em casa, use sabonete comum, preferencialmente sabonete líquido.

Os pontos não precisarão ser retirados pelo médico e a revisão deve ser feita em 30 dias, em qualquer Ambulatório ou Policlínica Naval perto de sua casa.

Parto Cesáreo

Enquanto estiver internada, durante o banho faça higiene com clorexidine no local dos pontos (quando houver), enxaguando com água abundante em seguida.

Após o banho e durante outros momentos do dia, faça higiene do local de cicatriz cirúrgica, passando álcool a 70%, com auxílio da gaze. Em casa, não use mertiolate, mercúrio, tinta de iodo ou qualquer outro produto no local.

No momento da alta, o médico indicará quando retornar ao Ambulatório do HNMD para tirar os pontos (entre 7 a 10 dias) e a revisão deve ser feita em 30 dias, em qualquer Ambulatório ou Policlínica Naval perto de sua casa.

Sangramento Vaginal

É normal o sangramento vaginal após o parto, chamado lóquios. Os lóquios são as perdas uterinas por via vaginal, que se iniciam após a expulsão da placenta e que se prolongam durante cerca de três semanas, variando de mulher para mulher. Os lóquios diminuem de quantidade ao longo dos dias e não causam febre. Atenção, esse sangramento não é menstruação!

Cuidados com o bebê

  • Todos devem lavar as mãos sempre antes de pegar no bebê, inclusive a mãe antes de amamentá-lo;
  • Dê, pelo menos, um banho por dia, com água morna e sabonete neutro, sem corante. Comece pela cabeça, evitando molhar os ouvidos;
  • Depois do banho, limpe o coto umbilical com álcool a 70%. Quando trocar a fralda do bebê, limpe o umbigo com álcool novamente. Mantenha o coto umbilical fora da fralda;
  • Não enrole nada do umbigo, deixando-o livre, fora da fralda. Não use cinteiro!;
  • É normal que o bebê evacue muitas vezes por dia. Nos primeiros dias as fezes são verde-escuras e são chamadas de mecônio. Depois, ficam moles e amareladas. Até que se tornam amarronzadas;
  • Troque a fralda sempre antes de amamentar. Após a mamada, o bebê está de barriga cheia e pode vomitar durante a troca de fralda. Espere meia hora;
  • Em caso de assadura, use fina camada de pomada para prevenir assaduras;
  • Não use talco, perfume ou sabonete que não seja neutro;
  • Não agasalhe seu bebê exageradamente, perceba se você está com frio ou calor;
  • Caso você ainda fume, não o faça perto do bebê; e
  • Não dê remédios por conta própria ou por indicação de outra pessoa, consulte o pediatra sempre que o bebê adoecer.

Puericultura

É a especialidade da Pediatria que se preocupa com o acompanhamento integral do processo de desenvolvimento da criança, detectando precocemente problemas físicos e mentais e, assim, podendo tratá-los logo.

O ideal é que, durante o primeiro ano de vida, a criança seja consultada pelo menos uma vez por mês e, depois disto, a cada dois meses, até os dois anos de vida. Inicie a puericultura em qualquer Ambulatório ou Policlínica Naval.

No caso do bebê não ter direito ao Saúde Naval, procure um Posto de Saúde próximo de sua residência para realizar os exames, a vacinação e iniciar a Puericultura.

Primeiros exames do bebê

Teste do Pezinho

É a coleta de algumas gotinhas de sangue do calcanhar do bebê para realizar exames que detectam a fenilcetonúria e o hipotireoidismo congênito, por exemplo, que são doenças causadoras de deficiência mental, se não tratadas precocemente.

Após a alta, o mais rápido possível (antes de 30 dias de nascido), leve o seu bebê à Policlínica Naval Nossa Senhora da Glória (R. Conde de Bonfim 54 - Tijuca). Lá será realizado o Teste do Pezinho e, se o bebê tiver mais de 2,5kg, receberá a vacina BCG.

Procure a Sala de Vacinação ou se informe pelo telefone (21) 2566-1363.

Teste da Orelhinha

A audição começa a partir do 5º mês de gestação e se intensifica nos primeiros meses de vida, sendo fundamental para o desenvolvimento de fala e linguagem.

Qualquer problema auditivo deve ser detectado precocemente, pois quando a intervenção ocorre antes dos 6 meses de idade, a criança tem a oportunidade de desenvolver linguagem com o mesmo desempenho que crianças normais, independente do grau da perda auditiva.

A triagem auditiva neonatal é um exame que avalia a audição dos recém-nascidos, preferencialmente, no 1º mês de vida.

Teste da Linguinha

A Avaliação do frênulo lingual nos recém-nascidos possibilita diagnosticar precocemente a limitação do movimento da língua, que pode comprometer as funções orofaciais de sucção, deglutição, mastigação e fala, contribuindo, ainda, para evitar o desmame precoce.

Amamentação

Amamentar é provavelmente a mais importante iniciativa que uma mãe pode tomar a favor de seu filho durante toda sua vida e também a mais forte prova de amor por ele.

Vantagens da Amamentação para o bebê

  • O leite materno é o alimento ideal, pois é o mais completo: contém todos os nutrientes necessários nos primeiros 6 meses de vida;
  • Proporciona melhor crescimento e desenvolvimento do bebê;
  • Protege contra doenças, principalmente diarreia, alergias e infecções;
  • Proporciona mais segurança pela troca de carinho, aumentando o laço afetivo entre a mãe e a criança, fazendo com que o bebê se sinta amado e seguro. Estudos comprovam que crianças amamentadas ao seio materno são mais inteligentes;
  • Mamar no peito contribui para que a criança tenha uma dentição mais perfeita, ajudando ainda no desenvolvimento da fala e no melhor controle da respiração. A amamentação estimula o padrão respiratório nasal do bebê, facilitando a oxigenação das estruturas faciais; e
  • O ato de mamar auxilia o movimento dos músculos e ossos da face, promovendo melhor flexibilidade na articulação das estruturas que participam da fala.

Vantagens da Amamentação para a mãe

  • Ajuda o útero a voltar ao tamanho normal mais rapidamente;
  • Reduz o sangramento após o parto e diminui as chances de desenvolver anemia;
  • Diminui a ocorrência de câncer de mama, ovário e útero;
  • Reduz a ocorrência de fraturas ósseas por osteoporose;
  • Ajuda na perda mais rápida de peso e do retorno à forma física;
  • Favorece maior contato entre a mãe e o bebê;
  • É mais prático e seguro: o leite está sempre pronto e fresco, na temperatura certa e não estraga; e
  • É mais econômico e higiênico: é só lavar as mãos.

Vantagem da Amamentação para a família

  • Evita gastos na compra de leites artificiais e mamadeiras, além de medicamentos, pois o bebê será mais saudável.

Ilustração de mamas

Por que o bebê precisa sugar o seio materno?

Porque o leite materno, além de possuir valores nutricionais, colabora para o desenvolvimento emocional, oferece proteção contra doenças, favorece o ganho de peso e o desenvolvimento das estruturas orais envolvidas no ato de sugar (lábios, língua, bochechas, ossos e músculos da face).

Todos os bebês já nascem sabendo sugar?

A sucção é um reflexo que surge na 17ª semana de idade gestacional intra-uterina. Todo bebê, desde que não seja prematuro e que não apresente intercorrências clínicas, já nasce com o reflexo de sucção “pronto”. Porém, alguns precisam de estímulos para aperfeiçoar a sucção e aprender a coordená-la com a respiração e a deglutição (ato de engolir).

Por que não se deve usar chupetas e mamadeiras?

O Ministério da Saúde recomenda: “Não dar bicos artificiais ou chupetas a crianças amamentadas ao seio”. O uso de qualquer tipo de bico artificial (chupetas, mamadeiras, protetores de mamilo etc.) pode dificultar a aprendizagem da sucção ao seio, podendo, ainda, interferir na produção de leite materno, porque quanto mais o bebê sugar o seio, mais quantidade de leite produzirá.

Quais são as consequências futuras do uso de chupetas e mamadeiras?

  • Alterações na forma da arcada dentária;
  • Dificuldades para respirar pelo nariz;
  • “Flacidez” de língua e da musculatura facial;
  • Dificuldades para mastigar;
  • Problema de fala;
  • Dificuldades para engolir; e
  • Problemas de aprendizagem.

Ilustração de chupeta

Recomendações gerais quanto a Amamentação

  • Não é necessário preparar o bico do peito com massagens ou esfregando bucha ou toalha felpuda durante a gravidez;
  • Não lavar os mamilos antes ou depois das mamadas (o próprio leite materno limpa o bico do seio);
  • Não usar pomadas, cremes ou outros produtos químicos nos mamilos;
  • Não esfregar sabonete nos mamilos durante o banho;
  • Não abafar os mamilos com protetores/fraldas de pano;
  • Não usar sutiã apertado (tipo meia taça);
  • Não suspender a amamentação no período noturno; e
  • Não ter medo de ordenhar as mamas se for necessário.

O aleitamento materno deve ser exclusivo e sob livre demanda até o 6º mês de vida

  • Isso significa que o bebê só precisa ser alimentado no seio materno, sempre que manifestar vontade, sem horários fixos, nem para iniciar, nem para terminar uma mamada;
  • Não há necessidade de oferecer água, chás ou sucos, mesmo no verão. O leite materno contém todo o líquido necessário para o bebê. Se a mãe deseja fornecer os benefícios de um chá, por exemplo, o mais indicado é que ela tome o chá, pois com certeza o benefício chegará ao bebê durante as mamadas;
  • Após o 6º mês, outros alimentos serão introduzidos, sempre com orientação do pediatra. Enquanto isso, a amamentação no seio materno pode ser continuada até o 2º ano de vida ou mais, se a mãe e a criança assim o desejarem.

Quanto à produção de leite

  • Não existe leite fraco: o leite materno é o alimento ideal para o bebê e a qualidade do leite independe de raça, tamanho das mamas, idade das mães etc.;
  • Toda mãe é capaz de produzir leite, mas a tranquilidade e a certeza de que é capaz de alimentar o bebê são fundamentais para que o leite “desça”;
  • É a sucção do bebê que desencadeia e mantém uma boa produção de leite. Portanto, quanto mais o bebê sugar, mais leite a mãe produzirá; e
  • Para manter uma produção adequada de leite, até o 6º mês de vida, o bebê precisa mamar só em seio materno e sempre que desejar. É necessário, também, posicionar o bebê corretamente durante as mamadas para que ele consiga abocanhar não só o mamilo, mas também toda ou grande parte da aréola, conseguindo, assim, “esvaziar” adequadamente as mamas.

Sinais que o bebê mantém a pega correta

  • O bebê mantém a boca bem aberta, como “boquinha de peixinho”;
  • O lábio inferior permanece voltado para fora;
  • O queixo toca levemente a mama;
  • Grande parte da aréola é abocanhada pelo bebê, sendo mais visível na parte superior;
  • O corpo do bebê é voltado para o da mãe;
  • A bochecha enche quando o bebê suga; e
  • O bebê não emite sons ao amamentar.


Instruções sobre como amamentar

O colostro e a apojadura

  • Nos primeiros dias após o parto, as mamas parecem flácidas, saindo pequena quantidade de leite chamado colostro. Ele possui uma coloração amarelada e transparente;
  • Apesar da quantidade parecer pequena, o colostro é capaz de alimentar o bebê e tem um papel importantíssimo na proteção do bebê contra infecções, além de estimular o intestino do bebê a se desenvolver;
  • Após alguns dias, ocorre a descida do leite (ou apojadura): as mamas ficam mais cheias e endurecidas e começam a produzir uma quantidade maior de leite;
  • No início, a quantidade de leite produzida pode ser maior do que a necessidade do bebê, obrigando a mãe a retirar o leite excedente através da ordenha manual;
  • Aproximadamente 15 dias após o nascimento, a produção de leite fica mais regular e equilibra com a demanda do bebê, fazendo com que as mamas pareçam um pouco mais flácidas, mas mantendo a capacidade de produzir leite suficiente.


Ilustração de mãe e bebê

Como realizar a ordenha manual?

  • Lave bem as mãos;
  • Faça massagens circulares e delicadas nas mamas;
  • Coloque a mão em formato de “c” nas bordas das aréolas;
  • Comprima as aréolas e aperte um pouco contra o tórax;
  • Não puxe os mamilos, pois pode machucar;
  • Cuidado para não apertar no bico. Apertar na borda da aréola;
  • Apertar longe da aréola também vai machucar;
  • Desprezar os primeiros jatos;
  • Você também deve pressionar nas laterais, para alternar;
  • Se o fluxo reduzir demais, troque de lado;
  • O Leite deve sair do peito e cair diretamente no vasilhame;
  • Repita o processo várias vezes até extrair a quantidade necessária;
  • Caso o leite vá ser estocado, utilize um vasilhame esterilizado e com tampa; e
  • Ao concluir, colocar algumas gotas de leite nos mamilos e secar ao ar livre.




Orientações para ordenha manual

Cuidado com as mamas!

  • A amamentação não faz as mamas caírem, mas a não utilização do sutiã, sim! Por isso, é sempre indicado o uso de sutiã, de preferência de algodão, próprio para a amamentação e de alças largas.
  • Nunca deve ser usado pomadas, cremes, sabonetes, perfume, álcool ou qualquer outro produto nas mamas e principalmente na aréola e nos mamilos.

Como guardar o leite?

  • Na geladeira: por 12 horas;
  • No congelador: por 15 dias;
  • No freezer: por 20 dias;

Não deixar o pote com leite encostar em outros alimentos, estocar os potes por ordem de datas mais antigas na frente para serem usados mais rápido.

Como oferecer o leite para o seu bebê?

  • Se o leite estiver no congelador ou no freezer, transfira a quantidade a ser usada no dia para a geladeira, a fim de descongelar, um pouco antes de oferecer ao bebê;
  • Aqueça o pote com o leite em banho-maria da seguinte forma: coloque a água para ferver, desligue o fogo, só então coloque o pote dentro da água e aqueça o leite. A temperatura é morna quase fria. Não ferva o leite materno!;
  • Nunca aqueça em microondas; e
  • Peça para quem for oferecer o leite ao bebê para usar uma colher de chá ou dar o leite no copinho como faz-se no hospital, ambos após serem fervidos, pois o uso de mamadeira pode levar o bebê a recusar o peito depois.

Recomendamos que cada pote seja preenchido com 120ml de leite. O leite ordenhado pode ser completado no pote desde que, enquanto não estiver com a quantidade ideal, seja colocado na geladeira e congelar após.

  • Na volta ao trabalho: Se você exercer alguma atividade fora de casa (trabalho ou escola), lembre-se que precisa ordenhar e esvaziar as mamas pelo menos a cada 4 horas, para prevenir o ingurgitamento e a mastite, e para você continuar produzindo leite com este estímulo!




Ícone de mamadeira