Dia Mundial sem Tabaco

Desde que foi criado pela Organização Mundial de Saúde, no final da década de 80, o dia 31 de maio passou a ser referência para a divulgação e o alerta dos males do consumo de tabaco. O tabagismo vem diminuindo nos últimos 20 anos, porém ainda há muitos fumantes no Brasil, apesar das políticas do Ministério da Saúde de redução de danos, como a proibição das propagandas para o consumo, a propagação de seus riscos inclusive nos maços de cigarros e a legislação que proíbe seu consumo em lugares fechados.

O tabaco é o único produto legalmente vendido capaz de causar a morte de metade de seus usuários regulares. Afinal, quais são as razões para um indivíduo ciente dos malefícios do cigarro e do risco aumentado para o desenvolvimento de doenças respiratórias, cardiovasculares e inúmeros tipos de câncer (as doenças crônicas não transmissíveis) e ainda, ciente, da disponibilidade gratuita de atendimento especializado continuar fumando?

A resposta parece simples: há um prazer em fumar e o temor é de algo abstrato, que não se sente até estar instalado e talvez irreversível. Fácil pensar: “não vai acontecer comigo”. A verdade é que muitos tentam, mas não conseguem! Apenas 5% conseguem parar sozinhos. Os demais tentam inúmeras vezes e acabam retomando o hábito. Mudar um comportamento exige ajuda especializada, ainda mais quando há risco de síndrome de abstinência. É preciso criar estratégias específicas, disciplina e mudanças de rotina e hábitos.

O Centro de Dependência Química da Marinha (CEDEQ), localizado no Hospital Central da Marinha (HCM), oferece orientação e tratamento multidisciplinar especializado para tabagistas. Mesmo para aqueles que ainda não estão prontos para abrir mão totalmente do cigarro! Mais informações podem ser obtidas pessoalmente ou pelo telefone (21) 2104-5588.

Se você é tabagista ou convive com algum tabagista, procure acompanhamento especializado. O tabagismo é a maior causa de mortes evitáveis no mundo. Mudar de estilo de vida é viver mais.

Cristiana Bardy
Capitão de Corveta(Md)
Encarregada da Psiquiatria do CEDEQ
Hospital Central da Marinha