Administração de insulina

Ao avaliar suas condições clínicas, o seu médico decidiu que você deve iniciar um tratamento com insulina. Antes de mais nada, preste bastante atenção ao tipo de insulina que o médico receitou, pois você não poderá mudar nem o tipo e nem a dose sem orientação médica. Hoje, a técnica correta da aplicação é reconhecida como elemento essencial para o tratamento efetivo do diabetes.

  • Para assegurar a efetiva absorção da insulina, a aplicação deve ser feita no tecido subcutâneo, que está localizado abaixo da pele e acima do músculo, com técnica adequada.
  • A escolha da seringa é muito importante para não errar na dosagem de insulina e deve ser feita de acordo com as unidades recomendadas pelo seu médico.
  • Os locais mais adequados para a autoaplicação são os que ficam afastados das articulações, grandes vasos sanguíneos e nervos, como: região abdominal, região posterior do braço, região superior externa das nádegas e região frontal e lateral das coxas.
  • Antes de fazer uma atividade física, evite aplicar a insulina nas partes do corpo mais exigidas durante a atividade.
  • Faça um rodízio dos pontos de aplicação de insulina, porque quando uma mesma área é utilizada muitas vezes, pode ocasionar alterações no tecido subcutâneo e na pele o que prejudica a absorção de insulina. Para ser eficaz, o rodízio implica revezamento entre regiões e entre os diversos pontos de aplicação de cada região.
  • Após administração da insulina, descarte a seringa e agulha utilizadas em um recipiente com paredes rígidas e com tampa. Identifique o recipiente como material contaminado e leve ao Posto de Saúde para descarte adequado.

Vale ressaltar que é fundamental que não haja dúvidas na aplicação da insulina.

Karina Vieira Branco
Primeiro-Tenente (RM2-S)
Encarregada dos Programas de Saúde
Policlínica Naval Nossa Senhora da Glória