Instituto de Pesquisas da Marinha avança no desenvolvimento do Sonar Nacional Passivo

Após o desenvolvimento do Sistema de Detecção, Acompanhamento e Classificação de Contatos (SDAC), que realiza o processamento dos sinais digitalizados provenientes dos sonar passivo CSU-83, já em operação a bordo de todos os submarinos da MB, com uma grande aceitação por parte da Força de Submarinos (ForS), o Instituto de Pesquisas da marinha (IPqM) está avançando sobre o desenvolvimento da "parte molhada" do sistema, que engloba a aquisição dos sinais analógicos provenientes dos staves (coluna vertical de 3 hidrofones), condicionamento do sinal, digitalização, pré-processamento, formação de feixes direcionais e formatação para compatibilização com o SDAC.

Para tanto, o IPqM realizou em maio alguns experimentos em ambiente marinho com um arranjo cilíndrico de hidrofones (CHA) montado pelo Instituto e composto de 32 staves, com cerca de 1m de diâmetro. Os resultados obtidos foram muito importantes para o avanço das técnicas e dos algoritmos implementados no sistema. O presente experimento consiste num passo firme na direção do desenvolvimento de um sistema sonar passivo totalmente nacional, com funcionalidades específicas desenvolvidas para atender às demandas da ForS.

Para o sucesso do experimento foi imprescindível o apoio recebido do Depósito de Combustíveis da Marinha no Rio de Janeiro (DepComb), que cedeu parte do seu cais secundário para a instalação dos equipamentos do IPqM, além de apoiar toda a logística do evento, inclusive com o emprego da lancha orgânica do DepComb, numa demonstração de apoio mútuo entre as OM do Complexo Naval da Ribeira.

Expediente:

Subordinado à Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação da Marinha (SecCTM), o IPqM tem a missão de realizar atividades de pesquisa científica, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços tecnológicos, associados a sistemas, equipamentos, componentes, materiais e técnicas, nas áreas de: Sistemas de Armas, Sensores, Guerra Eletrônica, Guerra Acústica, Sistemas Digitais e Tecnologia de Materiais, a fim de contribuir para a independência tecnológica do Brasil, o desenvolvimento da Base Industrial de Defesa e o fortalecimento do Poder Naval.