Instituto de Pesquisas da Marinha realiza teste com Veículo Autônomo para Monitoramento Acústico Submarino

O Instituto de Pesquisas da Marinha (IPqM) em parceria com o Centro de Pesquisas da PETROBRAS (CENPES), participou do teste de avaliação do veículo autônomo tipo “Wave Glider” para ações de monitoramento acústico passivo (Passive Acoustic Monitoring – PAM) em regiões oceânicas. Lançado ao mar no dia 06 de fevereiro, o “Wave Glider”, da empresa Liquid Robotics, é um veículo autônomo, capaz de realizar comissões de levantamento de dados com duração de mais de 6 meses, a partir de sistema eletrônico de baixo consumo alimentado por conjunto de baterias com painéis solares.

A sua propulsão utiliza a energia das ondas oceânicas e o controle da sua cinemática é realizado remotamente, de terra, a partir de comandos via satélite. O veículo testado pelo IPqM também é dotado do Sistema de Posicionamento Global (GPS) e Sistema de Identificação Automático (AIS) e pode embarcar uma grande variedade de outros sensores para monitoramento ambiental e situacional, acima e abaixo d'água.

Dados de monitoramento do ruído acústico submarino, seja de natureza biológica ou gerado por plataformas e navios, ainda são escassos no Brasil. Essa escassez pode ser atribuída à dificuldade de se manter equipamentos, com sensores apropriados, monitorando, em tempo real, uma grande área por um longo período de tempo.

Pela sua reconhecida capacidade no processamento de sinais acústicos submarinos, o IPqM foi convidado pela PETROBRAS para participar dessa iniciativa pioneira que poderá abrir novas fronteiras para o monitoramento sistemático de vastas regiões oceânicas em ações multipropósito, com benefícios para ações de patrulha e levantamentos sistemáticos.

Com interesse em resguardar a informação dos dados e realizar pesquisas referentes ao meio acústico submarino, o IPqM e o CENPES, analisarão conjuntamente os dados da primeira comissão com “Wave Glider” dotado de um sensor acústico submarino em águas brasileiras, estando claro que o IPqM terá a prerrogativa de classificar trechos de sinais que contenham dados classificados como de interesse estratégico para a Marinha do Brasil.