XII Encontro de Bioincrustação, Ecologia Bêntica e Biotecnologia Marinha (XII BIOINC)

No período de 01 a 04 de agosto, o Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM) realizou a XII edição do BIOINC. O evento ocorreu nas dependências do Hotel de Trânsito “A Ressurgência”, em Arraial do Cabo/RJ, e reuniu 180 participantes, entre pesquisadores, estudantes de pós-graduação, empresários do setor marítimo e representantes de institutos de pesquisa do Brasil e do exterior.

O Encontro, que acontece a cada dois anos, tem o propósito de ampliar e diversificar o intercâmbio científico e tecnológico no País, proporcionando aos participantes o conhecimento do estado-da-arte nas áreas de bioincrustação, ecologia bêntica e biotecnologia marinha. Esta edição contou com 4 dias de intensa programação científica, 180 pesquisadores inscritos nas 3 conferências, 29 palestras, 37 apresentações de pôsteres, 16 apresentações de projetos científicos em andamento e 1 sessão temática voltada para pesquisas sobre aplicação da biotecnologia marinha na área da saúde.

O direcionamento das futuras ações relacionadas à Biotecnologia Marinha, a elaboração de estratégias de conservação ambiental e os recentes estudos sobre bioincrustação marinha também integraram o debate no evento, que contou com o apoio da CAPES e da empresa de tintas Akzo Nobel. Os resumos com os trabalhos científicos apresentados durante o XII BIOINC serão disponibilizados, em formato digital, no site http://xiibioinc.com.br/.

 

Jovem pesquisadora aposta na Bio-Engenharia como solução para ambientes degradados

 

Trabalho da aluna de Mestrado em Biotecnologia Marinha (IEAPM/UFF), Laís Naval, integra o Projeto Mundial de Portos

Implantado em 2016, o curso de Mestrado e Doutorado em Biotecnologia Marinha desenvolvido pelo IEAPM, em parceria com a Universidade Federal Fluminense (UFF), é formado por alunos de todas as partes do Brasil, que vem trabalhando em produtos biotecnológicos dos mais diversos.

Entre os projetos científicos apresentados durante o XII BIOINC está o da aluna de Mestrado Laís Naval, que tem como foco aumentar a biodiversidade local (espécies nativas), e impedir o estabelecimento de espécies exóticas (invasoras), em áreas de ambiente degradado, como portos e marinas, utilizando técnicas de Bio-Engenharia.

A pesquisa faz parte do Projeto Mundial de Portos, (www.worldharbourproject). Para a realização do experimento, placas experimentais com diferentes níveis de complexidade topográfica foram instaladas no quebra mar do Porto do Forno. “Essas placas simulam o ambiente onde os organismos marinhos nativos se fixam. Se comprovado que essas estruturas favoreçam o aumento da biodiversidade nesses locais impactados, a ideia é que todo tipo de construção realizada em área costeira seja feita com esse novo design”, explica a aluna.

Atualmente, 25 países participam desse projeto. No Brasil, apenas o Porto do Forno vem realizando esses testes.