40º Aniversário da Empresa Gerencial de Projetos Navais – EMGEPRON

ORDEM DO DIA Nº 1/2022

Há exatos quarenta anos era publicada a Lei de número 7.000, criando a Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON) à luz da necessidade de se constituir uma empresa pública não dependente do orçamento federal destinada a contribuir para a renovação dos meios do Poder Naval e atender à Marinha do Brasil em suas demandas por serviços e materiais.

Ao longo desses quarenta anos uma legião de colaboradores, militares e civis, nos diversos níveis da estrutura organizacional, empenhou-se com competência e dedicação para a consolidação de uma Empresa cada vez mais atualizada nas melhores práticas de governança e gestão, respeitada e distinguida como uma referência no seu ambiente de negócios.

Nesse rumo exitoso, a EMGEPRON, tendo a Marinha do Brasil e o Poder Marítimo como os seus principais propósitos, tornou-se uma Empresa Estratégica de Defesa (EED) e direcionou o seu foco de interesse no sentido do estabelecimento de três eixos estratégicos de negócios: I) Programas Estratégicos da Marinha do Brasil; II) Plataforma de Exportações da Base Industrial de Defesa; e III) Agente para o Desenvolvimento da Economia do Mar. Tal movimento de diversificação ampliou os horizontes da Empresa, possibilitou maior inserção nos mercados em que atua e busca, promoveu a inovação em seus processos administrativos e operacionais e permitiu traçar um curso mais equilibrado e estável em face de as inúmeras restrições impostas ao nosso segmento de atuação nessas últimas quatro décadas.

Os desafios foram uma constante; contudo, a resiliência, a qualidade e o entusiasmo da sua Força de Trabalho, orientada por decisões seguras das Diretorias que se sucederam, permitiram que a EMGEPRON superasse os óbices defrontados, se fortalecesse e inspirasse confiança aos seus clientes e parceiros, abrindo espaço para a sua trajetória de constante desenvolvimento e aprimoramento, tornando-se a EMGEPRON do presente - capaz, crível, inovadora e atuante no cumprimento de sua missão e responsabilidade social.

Esse caminho de aprendizado, crescimento e solidificação empresarial fica bem caracterizado ao observarmos as marcantes realizações da Empresa ao longo de sua evolução. Logo no início, ainda abrigada em instalações do Arsenal de Marinha no Rio de Janeiro (AMRJ), o foco da EMGEPRON se concentrou no apoio a projetos de construção de meios navais da MB. Em 1985, três anos após sua fundação, a EMGEPRON já realizava sua primeira exportação: o Navio Patrulha Fluvial “Itaipu”, construído no AMRJ sob encomenda da Marinha da República do Paraguai.

Passados pouco mais de 11 anos de sua criação, em outubro de 1993, a EMGEPRON foi contratada pela MB para o gerenciamento do emblemático projeto de Modernização das Fragatas Classe “Niterói”; e, em 1996, mediante outro contrato firmado com a Marinha, passou a gerenciar as atividades da Fábrica de Munição Almirante Jurandyr da Costa Müller de Campos – FAJCMC. Além de gerenciar todas as operações da FAJCMC e suprir a demanda da Força Naval, a EMGEPRON também deu início à comercialização da munição, contribuindo, assim, para a manutenção da capacitação estratégica nos processos fabril e tecnológico que envolvem a produção de munição, sendo concretizada a primeira exportação para a Armada do Chile, em 1999.

Expandindo seus serviços a outras áreas e ampliando sua atuação no mercado internacional, a Empresa exportou, em 2001, sistemas táticos para a Armada do Uruguai e, em 2002, iniciou o Levantamento da Plataforma Continental da República da Namíbia. Em 2004, a EMGEPRON assinou contrato para a construção de um navio-patrulha e quatro lanchas-patrulha para a Marinha da Namíbia.

Em 2010, a Empresa conclui a construção de sua nova sede e transfere suas instalações para o prédio atual, com acomodações modernas e apropriadas para o desempenho de suas atividades, agora bem mais complexas e abrangentes.

A partir de 2016, premida pela imperiosidade de ampliar o seu portfólio de negócios, haja vista sua condição de empresa pública independente, a Empresa volta-se para a expansão de suas operações no mercado interno extra-MB, incrementando o volume de serviços de apoio à construção e reparação naval, de fornecimento de facilidades logísticas, de treinamento e capacitação de pessoal, de comercialização de munição para o Exército Brasileiro e de projetos ligados ao mar e meio ambiente. Destaca-se nesta vertente de negócios a profícua parceria com as Organizações Militares Prestadoras de Serviços (OMPS).

Com o intuito de contribuir para divulgação da Base Industrial de Defesa do País, bem como buscar novas oportunidades de negócios, em junho de 2018, promoveu e organizou a primeira edição de uma Feira Internacional de Defesa, Segurança e Offshore – a Rio International Defense Exhibition – RIDEX.

Recentemente, a EMGEPRON ingressou no mercado de gestão de energia, evidenciando sua postura inovadora na prospecção de novos mercados, bem como sua responsabilidade socioambiental. Em 2021, a EMGEPRON foi contratada pela Marinha do Brasil, por intermédio do Comando de Operações Navais, para gerenciar o Programa Energia Naval. Esse programa prevê que através de ações integradas de Eficiência Energética, Geração Distribuída e Mercado Livre, a Força Naval alcance uma economia no consumo e no gasto de energia elétrica e busque alternativas para a sua matriz energética. O conhecimento que vem sendo absorvido pela EMGEPRON nesse cenário aponta para perspectivas positivas no mercado de planejamento e estruturação de projetos de geração de energias renováveis, notadamente a eólica offshore, no contexto da Economia do Mar.

Não obstante às instáveis conjunturas econômico-financeira, sanitária e geopolítica com que nos defrontamos desde 2020, prosseguimos avançando na busca de soluções inovadoras e consolidando a Empresa na posição de ator importante no processo de desenvolvimento do País, a partir da Base Industrial de Defesa e dos Setores da Economia do Mar, contribuindo para a geração de emprego, renda e tributos, bem como para a recomposição do Poder Naval, em atendimento à Marinha do Brasil.

Nesse contexto, no que se refere à condução dos Programas Estratégicos, a execução do Programa Fragatas Classe “Tamandaré” (PFCT) vem se desenvolvendo como planejado, incluindo a internação de conhecimento, no País, sobre tecnologias nas áreas de Sistemas de Gerenciamento de Combate (CMS) e de Sistemas Integrados de Gerenciamento da Plataforma (IPMS), além do aumento de conteúdo local embarcado nos navios, por meio da participação da Base Industrial Nacional. A EMGEPRON assinou o respectivo contrato em março de 2020 com a Sociedade de Propósito Específico “Águas Azuis”, prevendo a entrega do primeiro navio da classe à MB em dezembro de 2025.

Nesse mesmo diapasão, em decorrência da necessidade de substituição do Navio de Apoio Oceanográfico (NApOC) “Ary Rongel”, que presta apoio logístico à Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), haja vista a proximidade do fim do seu ciclo de vida, a MB, em processo de escolha semelhante ao do PFCT, selecionou a Sociedade de Propósito Específico POLAR-1 CONSTRUÇÃO NAVAL SPE LTDA, constituída pela SEMBCORP MARINE SPECIALIZED SHIPBIULDING, de Singapura, e pelo ESTALEIRO JURONG ARACRUZ, situado no Estado do Espírito Santo, para construção de um novo Navio de Apoio Antártico (NApAnt). A cerimônia do contrato de aquisição, a ser assinado entre a EMGEPRON e a SPE POLAR-1, está prevista para ser realizada daqui a poucos dias, notadamente em 13 de junho de 2022, com previsão de entrega do navio para o último trimestre de 2025.

Vale ressaltar que a condução da gerência dos Programas Estratégicos supracitados significou um importante incremento na gestão da Empresa, pois exigiu que a EMGEPRON se reestruturasse e aprimorasse seus processos, relacionamento institucional e nível de profissionalização, além de buscar novas capacitações e assimilação de competências adicionais, direcionando-a para o futuro e projetando-a para horizontes mais amplos.

Em um dos nossos relevantes Eixos Estratégicos de negócios, o relativo à Economia do Mar, a EMGEPRON, alinhada às orientações do governo e da Marinha, tem colaborado para o desenvolvimento da também denominada Economia Azul, tema cada vez mais recorrente quando nos referimos à oportunidade de desenvolvimento do Brasil.

Nessa moldura, em 2019, juntamente com as Empresas Estratégicas de Defesa AMAZUL, NUCLEP e CONDOR, norteada pela visão de criar um ambiente para discussão de assuntos afetos à Economia do Mar, elaboração de estudos pertinentes sobre o setor e identificação de oportunidade de negócios para as empresas associadas, a EMGEPRON planejou e estruturou a criação da Associação do Cluster Tecnológico Naval do Rio de Janeiro (CTN-RJ), cujo propósito é contribuir para o desenvolvimento de uma economia próspera para a região e benéfica para os seus associados e a sociedade, mediante um ambiente de cooperação e parcerias entre agentes econômicos, públicos e privados, a partir de um espaço de diálogo e negociação entre Academia, Indústria e Governo.

Em 2021, fruto do esforço com a iniciativa supracitada e com intensa participação da EMGEPRON, foi sancionado o Decreto Estadual nº 47.813, que instituiu a Comissão Estadual de Desenvolvimento da Economia do Mar (CEDEMAR). A Comissão, que está vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais (SEDEERI) do Rio de Janeiro, é responsável pela elaboração de políticas públicas e ações estratégicas com o objetivo de fomentar segmentos ligados à Economia do Mar.

Também foi sancionada pelo Governador do Estado do Rio, por iniciativa da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (ALERJ), a Lei nº 9.466, de 25 de novembro de 2021, que cria a Política Estadual de incentivo à Economia do Mar como estratégia de desenvolvimento socioeconômico do Estado do Rio de Janeiro.

Esses dois instrumentos legais, o primeiro no âmbito do executivo e o segundo no âmbito do legislativo estadual, proporcionam o fomento às atividades econômicas relacionadas à Economia do Mar, ao desenvolvimento do CTN-RJ, permitem a manutenção de uma pauta permanente de discussão de assuntos pertinentes e se constituem em ferramentas que fortalecem nichos de mercado em que a EMGEPRON atua diretamente na prospecção de seus negócios, permitindo inferir que os anos vindouros serão promissores para a Empresa, consolidando-se como empresa estratégica e ator importante para o desenvolvimento socioeconômico do País.

Portanto, hoje, ao celebrarmos o quadragésimo aniversário da EMGEPRON, devemos prestar deferência e apresentar nossos agradecimentos a todos aqueles, que no passado, assim como no presente, contribuíram ou contribuem com seu desprendimento, esforço e resiliência para o sucesso e o progresso da Empresa. Que este legado seja alçado às gerações futuras e gere bons frutos para os anos que estão por vir. Que os próximos quarenta anos sejam tão promissores quanto os anos que os antecedem.

Acesse o vídeo comemorativo aqui.

PARABÉNS EMGEPRON, 40 ANOS DE HISTÓRIA EM PROJETOS!

EDESIO TEIXEIRA LIMA JUNIOR

Vice-Almirante (RM1-IM)

Diretor-Presidente

 

Português, Brasil

Notícias

EMGEPRON participou na segunda-feira, 29 de abril, no Palácio Guanabara, da primeira reunião que visa traçar estratégias para conscientização da importância da energia nuclear para o Rio de Janeiro e para o Brasil.

No dia 26 de abril, o Diretor-Presidente da EMGEPRON, Vice-Almirante (RM-1) Edesio Teixeira Lima Junior, recebeu, em Itajaí -SC, a visita do Secretá

Nesta terça-feira (02.04), a EMGEPRON iniciou sua participação na 5ª edição da LAAD Security and Defence, na cidade de São Paulo.