Escola de Guerra Naval sedia a XVI Conferência de Segurança Internacional do Forte de Copacabana

   No dia 20 de setembro, a Escola de Guerra Naval sediou a XVI Conferência de Segurança Internacional do Forte de Copacabana, promovida pela Fundação Konrad Adenauer (KAS) e o Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI), com o apoio da Delegação da União Europeia no Brasil.
Com o objetivo do aprofundar e difundir o debate nos temas de segurança e defesa internacional, a edição deste ano teve como foco “A Quarta Revolução Industrial: Impactos na Segurança Internacional e a Reformulação da Ordem Global”.
   O Ministro da Defesa, General de Exército Fernando Azevedo e Silva, realizou a palestra inicial e participou dos discursos introdutórios, ao lado do Secretário Parlamentar da Economia e Energia da Alemanha, Thomas Bareiss. Ao abordar a temática “As Forças Armadas e o Ministério da Defesa no cenário brasileiro atual”, o General Fernando Azevedo destacou os 20 anos de criação do Ministério da Defesa, observando a importância da pasta na “diplomacia da Defesa”, a qual tem como base “dissuasão
e presença”. O Ministro ressaltou a participação do Brasil nas missões de paz, lembando que o país participou de 40 das 72 coordenadas pela Organização das Nações Unidas (ONU), e discorreu sobre a atuação da Marinha, Exército e Aeronáutica na garantia da segurança dos últimos grandes eventos no Brasil, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016. Ao longo da palestra, abordou a coordenação do Ministério da Defesa, em parceria com o IBAMA, o ICMBIO e outras instituições, na Operação Verde Brasil, para o combate dos focos de incêndios na Amazônia.
   Da abertura da XVI Conferência de Segurança Internacional do Forte de Copacabana, participaram a Diretora da KAS, Anja Czymmeck; o sr. André Clark, membro do Conselho do CEBRI; e o Embaixador Ignacio Ibáñez, Chefe da Delegação Europeia no Brasil. A XVI Conferência abrangeu três painéis sobre temas emergentes nas sociedades globais, destinados a acadêmicos, militares, diplomatas e pesquisadores das Américas e da Europa.

O Ministro da Defesa ressaltou a participação do Brasil nas missões de paz da ONU.