Diretoria de Hidrografia e Navegação participa de Reunião do Subcomitê de Nomenclatura de Feições Submarinas

Notícias
terça-feira, 27 Agosto, 2019
Parte das feições submarinas nomeadas pela DHN no evento
 
A Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN) participou, entre 5 e 9 agosto, da 32ª Reunião do Subcomitê de Nomenclatura de Feições Submarinas (32 SCUFN Meeting), da General Bathymetric Chart of the Oceans (GEBCO), que ocorreu em Kuala Lumpur, na Malásia.
 
Esse Subcomitê tem como objetivo avaliar e selecionar nomes para feições submarinas nos oceanos, encaminhados por diversas instituições internacionais. Assim, são padronizados seus usos em produtos digitais e gráficos da GEBCO, em cartas internacionais (INT) de menor escala e em trabalhos científicos. As nomenclaturas aprovadas são inseridas no diretório da GEBCO, disponível em https://www.gebco.net/data_and_products/undersea_feature_names/, o qual conta com mais de 4mil feições nomeadas.
 
O SCUFN é apoiado por um secretariado, baseado na Organização Hidrográfica Internacional (OHI). É formado por 12 membros, especialistas em hidrografia e geociências, sendo seis representando a OHI e seis a Comissão Oceanográfica Internacional (COI), renovados a cada cinco anos. Atualmente, o Subcomitê é composto por especialistas da Argentina, Chile, China, Coreia, Estados Unidos, Itália, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Quênia e Rússia. Este ano, a reunião do SCUFN contou com a presença de 17 países, entre membros e observadores.
 
O Brasil manteve representante como membro do Subcomitê no período de 2008 a 2018 e, nesta reunião, enviou a Primeiro-Tenente Lorena da Fonseca Sampaio, como observadora. A militar acompanhou a análise e defendeu as 15 propostas de feições submarinas submetidas pela DHN, na margem continental brasileira, as quais foram aprovadas. São elas: Alpha Crucis Seamount, Beta Crucis Seamount, Delta Crucis Seamount, Gamma Crucis Seamount, Epsilon Crucis Seamount, Fernando de Almeida Seamount, Griep Seamount, Vital de Oliveira Hill, Bosísio Basin, Caboclo Basin, Constituição Basin, Drina Shoal, Charcot Fracture Zone, Fernando de Noronha Fracture Zone e Strakhov Fracture Zone.
 
A representante brasileira deu notoriedade, ainda, à atualização do Limite Exterior da Plataforma Continental do Brasil depositado na Organização das Nações Unidas (ONU) e externou o posicionamento do governo brasileiro quanto à nomeação, por outros países, de feições submarinas na Zona Econômica Exclusiva e na Plataforma Continental além das 200 milhas. Os países interessados em propor feições na nossa Amazônia Azul devem consultar previamente o Brasil, no caso, a DHN, a fim de avaliar a pertinência ou não da feição a ser nomeada. A militar esclareceu também diversos questionamentos dos membros do SCUFN e de outros participantes presentes.
 
Foto oficial da 32ª Reunião do Subcomitê de Nomenclatura de Feições Submarinas