Navio de Pesquisa Hidroceanográfico "Vital de Oliveira" realiza comissão em apoio ao LEPLAC

Notícias
segunda-feira, 21 Janeiro, 2019

Objetivo é a coleta de dados geofísicos necessários para respaldar o limite exterior da plataforma continental brasileira

     No dia 8 de janeiro, o Navio de Pesquisa Hidroceanográfico (NPqHo) “Vital de Oliveira” desatracou do Píer Irineu Roxo de Freitas, localizado na Diretoria de Hidrografia e Navegação (DHN), para a primeira de quatro pernadas programadas para a coleta de dados batimétricos e geofísicos nas regiões da Elevação do Rio Grande e do Platô de São Paulo. A comissão se dá em apoio ao Plano de Levantamento da Plataforma Continental Brasileira (LEPLAC).

     O LEPLAC tem por propósito definir a área da plataforma continental brasileira para além da Zona Econômica Exclusiva (ZEE). Em 8 de dezembro de 2018, o Brasil apresentou ao Secretário-Geral das Nações Unidas a terceira e última submissão parcial revista referente à margem Oriental e parte da Meridional, completando, assim, a cobertura de toda a margem continental do país.

     Dessa forma, a área proposta como de direito do Brasil em 2004 – da ordem de um milhão de quilômetros quadrados –, teve seu valor praticamente dobrado a partir de dezembro do ano passado, como resultado da inclusão das regiões da Elevação do Rio Grande e offshore do Platô de São Paulo.

     O levantamento em execução pelo NPqHo “Vital de Oliveira” conta com recursos decorrentes da assinatura de um termo de cooperação entre o Centro de Hidrografia da Marinha (CHM), a Petrobras e a Fundação de Estudos do Mar (FEMAR). A comissão visa a coletar parte dos dados geofísicos adicionais necessários para respaldar o limite exterior da plataforma continental brasileira, de acordo com o estabelecido na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM) para as margens Oriental e Meridional.

     Durante as quatro pernadas, estarão embarcados pesquisadores e alunos da Universidade Federal Fluminense (UFF), Universidade de Caxias do Sul (UCS) e Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), entre outras instituições de ensino superior, na condição de representantes da comunidade científica nacional.