Navio Polar “Almirante Maximiano” lança boia de deriva do Programa Nacional de Boias

Notícias
terça-feira, 16 Outubro, 2018
Lançamento de boia de deriva do Plano de Trabalho do Programa Nacional de Boias pelo pessoal do Centro de Hidrografia da Marinha embarcado
 
No dia 11 de outubro, foi realizado o lançamento da primeira boia de deriva da comissão OPERANTAR XXXVII, a bordo do Navio Polar (NPo) “Almirante Maximiano”. A iniciativa faz parte do Plano de Trabalho do Programa Nacional de Boias (PNBOIA), que tem como objetivo a medição de dados de temperatura da superfície do mar (TSM), pressão atmosférica e correntes oceânicas nos oceanos. O PNBOIA é coordenado pelo Centro de Hidrografia da Marinha (CHM), em colaboração com o Global Drifter Program (GDP), programa internacional coordenado pelo Laboratório Oceanográfico e Meteorológico do Atlântico, subordinado à agência americana de ciências atmosféricas e oceanográficas (NOAA – National Oceanic and Atmospheric Administration).
 
As informações coletadas são essenciais ao aprimoramento da previsão meteorológica marinha, medições de TSM por satélite, modelos de circulação atmosférica e oceânica, assim como possibilitam o entendimento da maneira como os oceanos transportam suas propriedades, eventuais detritos (por exemplo, plásticos). Os conhecimentos obtidos a partir dessas observações têm aplicação dual, servindo tanto à pesquisa científica quanto ao planejamento de operações navais.
 
No total, estão planejados 16 lançamentos de derivadores, durante a comissão OPERANTAR XXXVII, com o objetivo de prover observações ao longo da corrente do Brasil, na região da Confluência Brasil-Malvinas e Corrente Circumpolar Antártica, na passagem do Estreito de Drake. As regiões dos lançamentos compreendem áreas oceânicas remotas de grande interesse científico e militar, nas quais as observações só se tornam possíveis por meio de plataformas de pesquisa, como o NPo “Almirante Maximiano” e o Navio de Apoio Oceanográfico “Ary Rongel”.
 
O “Tio Max”, como é conhecido, e que em fevereiro de 2019 completará 10 anos operando e apoiando inúmeros projetos de pesquisa brasileiros, exerce papel fundamental no adensamento de coleta de dados nos oceanos Atlântico Sul e Antártico, regiões onde o conhecimento ainda é restrito devido à carência de observações.
 
Os dados coletados dos derivadores são públicos e podem ser acessados no site da AOML www.aoml.noaa.gov, ou no site do PNBOIA, em www.goosbrasil.org/pnboia