Histórico Completo

   A Hidrografia é uma das ciências mais antigas no mundo. No Brasil, a Hidrografia se confunde com o Descobrimento a partir da carta de Mestre João.

   A Navegação no Brasil, mais que uma tradição, uma ciência e uma arte, sempre foi uma necessidade imperiosa e se confunde com a defesa do território e com a formação da nação brasileira em cinco séculos de nossa história, nos 7.367km de linha de costa atlântica brasileira.

   A trajetória histórica da Hidrografia no Brasil tem sentido transcendente, pois remonta, praticamente, aos primórdios da Pátria Brasileira. De fato, já no ano de 1500, ponderável trecho da nossa costa norte era representado em carta de marear, por Juan de La Cosa; e são levadas a termo, sobre o Brasil, do século XVI ao século XIX, magníficas obras de cartografia.

  Do Planisfério de Cantino, de 1502, ao Plano Hidrográfico do Pará, último exemplar de cartografia náutica joanina de 1805, múltiplos foram os trabalhos de hidrografia que se referiram à costa brasileira.

    O Arquivo Militar, criado em 1808 no Rio de Janeiro, chegou a possuir em seu acervo, naquela época, mais de mil cartas e planos apresentados em cerca de mil e duzentas folhas.

    É efetivamente marcante, no século XIX, a integração dos trabalhos de hidrografia às atividades da Marinha do Brasil. Os levantamentos realizados naquela época, essencialmente na segunda metade do século XIX, por nossos oficiais, constituem a estrutura básica das realizações hidrográficas que, sem descontinuidade, atingem o presente e projetam-se para o futuro.

   Nestas páginas, são apresentados aspectos relevantes da história da Hidrografia Brasileira, desde o descobrimento até o início do século XIX, fruto de dados coletados dos Anais Hidrográficos, especificamente do Tomo XXXI, de autoria do nosso historiador, Almirante Max Justo Guedes e de pesquisas em outras fontes, procurando fazer uma Síntese Histórica da Diretoria de Hidrografia e Navegação que irá se estender até o início do 3º milênio.

  Elas procurarão, por meio de uma Síntese Histórica, destacar os principais feitos desses cerca de cinco séculos da Hidrografia Brasileira, ressaltando a influência estrangeira na nossa formação; a fase brasileira, com seu árduo processo de desenvolvimento das diversas técnicas; e o enfrentamento do desafio representado pela incontrolável evolução tecnológica dos equipamentos e dos meios empregados. Mas, acima de tudo, evidenciar, em um nível maior de importância, o papel desenvolvido pelos homens e, mais recentemente, pelas mulheres que, de forma contundente, deram e dão sua parcela de sacrifício emprol de nossa história hidrográfica. Sem dúvida, são eles, homens e mulheres da DHN que, com orgulho, intitularemos de HIDRÓGRAFOS, o nosso maior patrimônio. São eles, os HIDRÓGRAFOS, os responsáveis primeiros pela execução das mais intrincadas tarefas da atividade de nossa Diretoria. São eles, os HIDRÓGRAFOS, que, no presente, guiados pelos exemplos do passado de tenacidade, desprendimento, profissionalismo, dedicação ao serviço e amor à Pátria, enfrentam os grandes desafios atuais, buscando preservar o que foi arduamente conquistado, qual seja a garantia da excelência dos serviços executados pela Diretoria de Hidrografia e Navegação.