Temer lança pedra fundamental do RMB e testes de integração dos turbogeradores do Labgene

 

O presidente Michel Temer participou na sexta-feira, dia 08 de junho, do lançamento da pedra fundamental do Reator Multipropósito Brasileiro e do início dos testes de integração dos turbogeradores do Laboratório de Geração de Energia Nucleoelétrica (LABGENE), no Centro Industrial Nuclear de Aramar, em Iperó (SP).

 

De volta ao CTMSP depois de sete anos, o presidente verificou uma enorme evolução dos projetos. “É momento que traz justificado orgulho a todos os brasileiros. Vemos uma síntese de perseverança, talento científico e compromisso com o país. São projetos que elevam nosso patamar em ciência e tecnologia, promovem o desenvolvimento do Brasil.”

 

Na oportunidade, o presidente acionou o conjunto de motores, turbogeradores e equipamentos que vão simular o sistema de propulsão e operação do submarino. Os equipamentos estão dispostos na parte já construída do casco da embarcação e serve como protótipo do submarino com propulsão nuclear. São quatro conjuntos contendo o freio dinamométrico, o motor elétrico de propulsão, os turbogeradores e o reator nuclear, ainda em fase de construção.

 

Quando estiver em plena operação, o LABGENE terá uma planta nuclear com 48 megawatts de potência, capaz de alimentar os subsistemas necessários à propulsão do submarino. A energia produzida pelo reator abasteceria uma cidade de 20 mil habitantes.

 

Com relação ao Reator Multipropósito Brasileiro (RMB), o Ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirma que ele tornará o Brasil autossuficiente na produção de insumos usados no tratamento de diversas doenças nas áreas de cardiologia, oncologia, hematologia e neurologia. Será possível detectar com mais rapidez o câncer, ajudar no tratamento de embolia pulmonar, infarto do miocárdio e demências.

 

Segundo Ministro da Saúde, Gilberto Occhi, no Brasil, todo ano, são feitos quase dois milhões de exames por imagens, como radiografias e tomografias. “A intenção desse projeto é baratear o custo e oferecer o diagnóstico em hospitais e clínicas públicas e particulares”.