Transmissão do Cargo de Comandante de Operações Navais

Da esquerda para a direita, o Alte Esq Alipio Jorge, o Alte Esq Ilques e o Alte Esq Puntel.

Na manhã do dia 8 de maio, foi realizado o Ato de Transmissão do Cargo de Comandante de Operações Navais, no Salão Nobre do Edifício Almirante Tamandaré, localizado no Complexo do Comando do 1º Distrito Naval, na cidade do Rio de Janeiro. Após um ano à frente do Setor Operativo da Marinha do Brasil, o Almirante de Esquadra Leonardo Puntel passou o comando para o Almirante de Esquadra Alipio Jorge Rodrigues da Silva.

O Comando de Operações Navais (ComOpNav) é o Órgão de Direção Setorial responsável por aprestar e empregar as Forças Navais, Aeronavais e de Fuzileiros Navais subordinadas, a fim de contribuir para a defesa da Pátria, a garantia dos poderes constitucionais e da lei e da ordem, e para o cumprimento das atribuições subsidiárias previstas em lei e o apoio à Política Externa.

O Comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior, presidiu o Ato de Transmissão do Cargo e, durante a leitura de sua Ordem de Serviço, relembrou as principais realizações ocorridas durante o comando do Almirante Puntel. Dentre os diversos aspectos mencionados, agradeceu pela dedicação diuturna e pelos resultados alcançados.

Em suas palavras de despedida, o Almirante Puntel afirmou que o período foi repleto de momentos únicos, desafiadores e gratificantes. Assim como em sua assunção, destacou o contexto geoestratégico em que o Brasil se insere, e classificou como imperioso o constante ordenamento e vigilância do espaço marítimo de interesse, da Amazônia Azul e das águas interiores.

Por sua vez, o Almirante Alipio Jorge deixou uma mensagem especial em seu discurso: “(...) aos atuais integrantes do Setor Operativo, mais de 47 mil dedicados homens e mulheres, Comandantes e Tripulações das 280 Organizações Militares subordinadas, encaminho uma mensagem inicial de otimismo, com a convicção de que, juntos, com espírito de equipe, saberemos dar o necessário andamento às ações estratégicas realizadas para alcançar e manter os Objetivos Navais, em especial, os de defesa da Pátria e de segurança marítima”.