Marinha forma aquaviários indígenas em aldeia no extremo Norte do País

Indígenas recebem certificados de conclusão de curso de aquaviários

A Agência da Capitania dos Portos no Oiapoque (AgOiapoque) qualificou 30 novos aquaviários na Aldeia do Manga, terra indígena Uaçá, no município de Oiapoque (AP). Os indígenas, dentre eles cinco mulheres, participaram da cerimônia de encerramento do 1º Curso de Formação de Aquaviários, no dia 16 agosto.

O curso de Marinheiro Auxiliar Fluvial de Convés e Máquinas foi realizado de 8 a 16 de agosto. “Nunca pensei que poderia ter a oportunidade de realizar um curso oferecido pela Marinha do Brasil”, disse a indígena Taís Anicá dos Santos, que agradeceu a oportunidade de profissionalização.

Durante o curso, os alunos foram instruídos sobre Atividades de Pesca I, Condução e Operação de Embarcação de Pesca, Sistema de Propulsão a Motor Diesel, Conhecimentos Elementares de Primeiros Socorros, Técnicas de Sobrevivência Pessoal, Prevenção e Combate a Incêndio e Segurança em Operações de Embarcação de Pesca.

ENSINO PROFISSIONAL

Os cursos do Programa do Ensino Profissional Marítimo, para Aquaviários, são oferecidos, gratuitamente, por diversas Organizações Militares da Marinha em todo o País, e têm como objetivo o preparo do pessoal para o trabalho a bordo de embarcações. São voltados para formação e qualificação de Marítimos, Fluviários, Pescadores e Mergulhadores.

Reforçando o compromisso com a segurança da navegação e com a ampliação de inserção profissional no setor marítimo, o Comando do 4º Distrito Naval formou, em 2021, 1.894 aquaviários. Em 2022, esse número já alcançou 2.038 formados. Por meio dos cursos, a Marinha também colabora com a disseminação de uma mentalidade voltada para prevenção de acidentes de navegação, de poluição hídrica e salvaguarda da vida humana nos rios.Indígenas recebem certificados de conclusão de curso de aquaviários.

 

Militares da Marinha capacitam profissionais no extremo Norte do Brasil