Trans- Regional Maritime Network

Em outubro de 2002, durante o 4° Simpósio Regional Seapower (RSS) as marinhas do Mediterrâneo e do Mar Negro assinaram um acordo unânime sobre a necessidade de reforçar a segurança do tráfego marítimo no Mediterrâneo por meio da apresentação de iniciativas para garantir a segurança das atividades marítimas na região.

Durante o quinto Simpósio, realizado na cidade de Veneza em Outubro de 2004, foi apresentado o Prototipo do Regional Maritime Traffic Center (V-RMTC), que imediatamente obteve um amplo consenso. Desde o início da apresentação do projeto, houve uma participação significativa da Marinha do Brasil (MB). O V-RMTC ficou operacional em 20 de setembro de 2006.

Os esforços de integração da Marinha do Brasil e da Marinha de Cingapura, culminaram com a assinatura em 21 de outubro de 2010 de um Arranjo Operacional, criando assim o T-RMN (Trans-Regional Maritime Network). Este sistema contempla a troca diária de informações de Tráfego Marítimo entre os países pertencentes a Comunidade do Mediterrâneo Extendido, Brasil e Cingapura, visando ampliar a Consciência Situacional Marítima.

A troca de informações ocorre por meio dos sistemas de acompanhamento de Tráfego Marítimo de cada país, dentro do sistema, SMART (Service-Oriented Infrastructure for Maritime Traffic Tracking), no caso da MB o SISTRAM (Sistema de Informações Sobre o Tráfego Marítimo), OASIS (Open & Analysed Shipping Info System) , no caso de Cingapura, e o prórpio V-RMTC, no caso de Itália e dos países do Mediterrâneo Estendido.

Anualmente é realizado o exercício de Controle Naval do Tráfego Marítimo denominado T-RISE (Trans-Regional Information Shipping Exercise) executados pelos países participantes da T-RMN".

Apresentação dos dados no V-RMTC
 
Apresentação dos dados T-RMN no SISTRAM