Corpo de Fuzileiros Navais promove 3ª edição anual do evento “Um Dia de Fuzileiro Naval” para pessoas com necessidades especiais

     “Um Dia de Fuzileiro Naval” para pessoas com Autismo, Síndrome de Down e deficiência cognitiva, um dos eventos mais aguardados pelos portadores de necessidades especiais e suas famílias, reuniu cerca de 800 pais, filhos e responsáveis no Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (CEFAN), na manhã de sábado, 24 de novembro. O objetivo do evento, que está em sua 3ª edição este ano, é promover a inclusão social e demonstrar, de forma lúdica e supervisionada, um pouco da rotina de um Fuzileiro Naval.

     Foram disponibilizadas 230 vagas para o público-alvo, que participou de atividades, como oficina de camuflagem, mostruário de viaturas militares, esportes, apresentação da Banda Marcial do Corpo de Fuzileiros Navais, exibição de cães, pintura e distribuição de brindes e lanches. Também estiveram presentes a Família Naval e as crianças participantes do Programa Forças no Esporte (PROFESP).

     E não foram só as crianças que se divertiram no evento. Aos 56 anos, portadora de Autismo e recém-curada de um câncer de mama, Isaura Ferreira Tostes era uma das mais animadas. De acordo com sua irmã e responsável, Jurema Tostes, essa é a terceira vez que leva Isaura ao evento, e seu progresso tem sido notável. “Essa iniciativa é excelente, pois aqui não tem discriminação e ela é bem acolhida, interage, brinca livremente e depois fica lembrando a semana toda das atividades de que participou. Ela já melhorou muito desde que começou a vir: está aprendendo a conviver com pessoas, andar na rua e falar o nome dela, que nem isso ela sabia. Enquanto eu puder, vou sempre trazê-la”, disse.

     A mãe do pequeno Davi Maia Jardim, de seis anos, Marta Jardim, também notou o progresso do filho desde a última vez em que ele participou do evento, no Centro de Instrução Almirante Sylvio de Camargo, em 2017. “Ele, hoje, está participando e se divertindo muito mais do que no ano passado, quando mal falava. Agora, está interagindo e ganhando confiança. Quando vê alguém fardado, ele diz 'olha, um Fuzileiro Naval!'”, comentou sorrindo.

     Para o Comandante do CEFAN, Contra-Almirante (FN) Pedro Luiz Gueiros Taulois, o evento buscou incentivar o desenvolvimento das pessoas com necessidades especiais proporcionando uma variedade de oficinas e entretenimento, bem como oferecendo uma alimentação saudável e natural para as crianças. “Essa é uma iniciativa que aproxima muito a Marinha da sociedade carioca. Existem diversas comunidades nos arredores do CEFAN, onde moram pessoas que realmente necessitam desse apoio”, destacou.

     A ideia, segundo o Comandante-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais, Almirante de Esquadra (FN) Alexandre José Barreto de Mattos, é expandir o evento para todo o Brasil. “As Forças Armadas existem não só para a defesa do país, mas também para a segurança da população. E isso significa poder emprestar um pouco do nosso apoio, da nossa solidariedade às pessoas que mais necessitam. A ideia é que esse evento seja todo mapeado, que vire um programa efetivo, de modo que possa ser replicado em todos os estados onde existe a participação da Marinha do Brasil. Com isso, poderemos atingir mais pessoas e espalhar o bem comum e a solidariedade por todo o país”, destacou.